Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Snowden convoca defensores de direitos humanos em Moscou

Delator americano prometeu falar com imprensa após encontro em aeroporto

O ex-técnico da CIA e delator americano Edward Snowden, acusado de espionagem pelos EUA, convocou uma reunião nesta sexta-feira com advogados e defensores dos direitos humanos no aeroporto de Sheremetyevo, onde passou as últimas três semanas na zona de trânsito. Após a reunião, que acontecerá às 17h (10h de Brasília), ele fará uma declaração à imprensa.

Leia também:

Leia também: Microsoft ajudou FBI e NSA a interceptar mensagens, diz jornal

Serguei Nikitin, da Anistia Internacional, confirmou o encontro. Ele disse que recebeu o convite por e-mail e que pretende comparecer à reunião. Advogados ligados à defesa dos direitos humanos na Rússia também confirmaram que receberam o convite. Snowden também chamou representantes da Anistia Internacional, Transparência Internacional, Human Rights Watch (HRW), do escritório da ONU em Moscou, entre outros.

Snowden, que é acusado por Washington de espionagem por ter revelado dados sobre programas secretos de vigilância dos Estados Unidos em todo o mundo e não é visto em público desde que deixou Hong Kong, em 23 de junho, fará uma declaração durante o encontro, provavelmente para denunciar a perseguição que afirma sofrer. O porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, declarou nesta sexta-feira que o caso Snowden não envolve a presidência russa.

Carta – O ex-técnico da CIA disse, em uma carta enviada à organização Human Rights Watch e postada no Facebook, que autoridades americanas têm promovido uma campanha para evitar que ele aceite ofertas de asilo. O americano recebeu propostas da Venezuela, Bolívia e Nicarágua.

Saiba mais:

Saiba mais: EUA defendem empresa em que Snowden trabalhava

Na carta, Snowden disse que o objetivo da reunião desta sexta-feira com os grupos de direitos humanos é discutir seus “próximos passos”. Em um e-mail separado, Snowden confirmou à agência de notícias Reuters que o encontro seria fechado à imprensa. Ele afirmou que pretende falar com jornalistas depois.

(Com agências France-Presse e Reuters)