Clique e assine com até 92% de desconto

Rússia envia armas sofisticadas à Síria, diz imprensa

Enquanto isso, chanceler russo pede conferência da ONU sobre guerra síria

Por Da Redação 17 Maio 2013, 11h33

A Rússia enviou armas sofisticadas, como mísseis antinavios, à Síria, mesmo após a pressão internacional para não ajudar o regime de Bashar Assad, acusado de crimes contra a humanidade, informou nesta sexta-feira a imprensa americana. A Rússia já havia enviado uma versão dos mísseis, chamados Yakhonts, à Síria, mas os últimos enviados possuem um radar que os tornam mais eficazes e podem ser usados contra futuras intervenções estrangeiras, segundo o jornal The New York Times.

Leia também:

Leia também: Número de refugiados sírios supera 1,5 milhão, diz ONU

O último envio, segundo o New York Times, conta com um míssil moderno do tipo Yakhont de 6,5 metros e um alcance de 290 quilômetros com oito explosivos. A Rússia já enviou 5.000 tanques, 2.500 veículos de infantaria, 2.500 unidades de artilharia, 325 aviões e 143 helicópteros à Síria. Já o jornal Wall Street Journal diz que Moscou já enviou ao menos 12 navios de guerra para patrulhar as águas sírias perto da base naval russa de Tartus.

Sem confirmar detalhes, o ministro russo de Relações Exteriores, Sergei Lavrov, disse que o envio não violou regras internacionais e que “não entende por que a imprensa quer fazer alarde disso”. “Nós não escondemos que enviamos armas à Síria com contratos assinados sem violar acordos internacionais ou nossa própria legislação”,afirmou.

Enquanto isso, Lavrov se reuniu o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, nesta sexta-feira para discutir a questão síria. Ban quer convencer o presidente russo, Vladimir Putin, um dos únicos aliados de Assad, a apoiar a saída do ditador sírio. Lavrov e Ban pediram à ONU uma conferência internacional sobre a Síria para acabar com o derramamento de sangue o mais rápido possível. “Quanto antes acontecer, melhor”, disse Lavrov. “Agora é importante saber quem participará no lado sírio, de outro modo não acontecerá nada. Também é indispensável chegar a um acordo sobre os países que participarão”, completou.

Continua após a publicidade
Publicidade