Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Putin oferece cidadania russa a ucranianos em regiões dominadas por Moscou

A medida marca mais um passo em direção à 'russificação' das regiões de Kherson e Zaporizhzhia, parcialmente dominadas pelo exército de Vladimir Putin

Por Camille Mello Atualizado em 25 Maio 2022, 12h12 - Publicado em 25 Maio 2022, 12h10

O presidente Vladimir Putin assinou um decreto nesta quarta-feira, 25, que simplifica o processo de pedidos de cidadania russa para os moradores das regiões de Kherson e Zaporizhzhia na Ucrânia, ocupadas pela Rússia. A medida marca mais um passo em direção à “russificação” das duas regiões no sul do país, parcialmente dominadas pelo exército de Putin.

De acordo com informações da agência de notícias russa RIA, o decreto já estava em vigor para quem vivia nas regiões separatistas de Donetsk e Luhansk, onde Moscou emitiu cerca de 800.000 passaportes desde 2019, e foi ampliado para novos territórios. A Rússia reivindicou o controle total da região de Kherson e detém partes da região de Zaporizhzhia, ao nordeste da Ucrânia.

Kherson foi a primeira cidade ocupada pelos russos, em 3 de março, após o início da ofensiva contra a Ucrânia em 24 de fevereiro. A área é estratégica para o Kremlin, já que permitiria uma ponte terrestre ligando a Rússia à península da Crimeia, território anexado por Moscou em 2014.

+ Forças russas tomaram controle de Kherson, no sul da Ucrânia, diz prefeito

Após a invasão de Kherson, o governador ucraniano foi deposto e substituído por um prefeito não-eleito pró-Rússia. No início deste mês, o governo paralelo disse que planejava pedir a Putin para incorporar a região à Rússia até o final de 2022.

Continua após a publicidade

+ Vídeo: Soldados russos atiram contra manifestantes em Kherson

A Ucrânia prometeu reconquistar todo o seu território apreendido. O conselheiro do presidente ucraniano Volodymyr Zelesnky, Mykhailo Podolyak, descartou qualquer possibilidade de ceder territórios como forma de obter um cessar-fogo.

“Qualquer concessão à Rússia não é um caminho para a paz, mas uma guerra adiada por vários anos. A Ucrânia não comercializa nem sua soberania, nem territórios e ucranianos que vivem neles”, disse Podolyak em seu perfil no Twitter.

+ Ucrânia descarta ceder territórios em troca de cessar-fogo

Um levantamento realizado por pelo Instituto Internacional de Sociologia de Kiev entre 13 e 18 de maio apontou que 82% dos moradores do país são contra a cessão de qualquer parte do seu território como parte de um eventual acordo de paz com a Rússia, mesmo que isso prolongue a guerra e ofereça riscos à sua independência.

A pesquisa, divulgada na terça-feira, 24, revelou que 77% dos ucranianos que vivem em território ocupado pela Rússia se opuseram a qualquer concessão de terras, enquanto apenas 10% dos entrevistados acharam aceitável abrir mão de territórios para dar fim à guerra.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)