Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Ucrânia descarta ceder territórios em troca de cessar-fogo

Rússia intensifica ataques na região de Donbass e o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, diz que situação é 'extremamente difíci'"

Por André Sollitto Atualizado em 22 Maio 2022, 10h33 - Publicado em 22 Maio 2022, 10h03

O governo da Ucrânia afirmou que está aberto a negociações com a Rússia, mas descartou qualquer possibilidade de ceder territórios como forma de obter um cessar-fogo. “Qualquer concessão à Rússia não é um caminho para a paz, mas uma guerra adiada por vários anos. A Ucrânia não comercializa nem sua soberania, nem territórios e ucranianos que vivem neles”, disse o conselheiro presidencial, Mykhailo Podolyak, em um vídeo publicado no Twitter.

O presidente da Polônia, Andrzej Duda, foi filmado ao lado do presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, neste domingo, e apoio à decisão do país vizinho de não ceder às demandas russas. “Apenas a Ucrânia tem o direito de decidir sobre seu futuro”, disse Duda no primeiro discurso feito por um líder estrangeiro em pessoa a políticos ucranianos desde o início da invasão, em fevereiro.

Forças russas têm intensificado os bombardeios na região de Donbass. Ataques aéreos têm sido dirigidos a centros de comando, depósitos de munição e acampamentos de tropas. A situação foi descrita por Zelensky como “extremamente difícil”. Na maior vitória de Vladimir Putin após uma série de fracassos e atrasos, o exército russo conseguiu capturar a cidade de Mariupol. Na sexta-feira, o ministro de defesa Sergei Shoigu afirmou que os últimos combatentes que ainda lutavam na siderúrgia de Azovstal se renderam.

A Rússia também tem respondido às sanções impostas pela União Europeia. No sábado, a companhia estatal de gás Gazprom suspendeu as exportações para a Finlândia, que recusou a exigência de Moscou de pagar em rublos. A Gasum, empresa estatal finlandesa, afirmou que vai usar outras fontes para suprir a demanda interna, como o gasoduto Balticonnector, que conecta a Finlândia e a Estônia.

Com informações da agência Reuters

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)