Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Forças russas tomaram controle de Kherson, no sul da Ucrânia, diz prefeito

Moradores relataram presença em massa de militares e veículos blindados

Por Caio Saad Atualizado em 3 mar 2022, 08h25 - Publicado em 3 mar 2022, 08h04

Forças russas assumiram o controle de Kherson, no sul da Ucrânia, na noite de quarta-feira, 2, anunciou o prefeito da cidade. Mais cedo, o Ministério da Defesa da Rússia já havia informado que tropas do país tinham tomado a cidade, de cerca de 300 mil habitantes e que é banhada pelo rio Dnieper e próxima do mar Negro.

“Havia visitantes armados no Conselho Municipal hoje. Minha equipe e eu somos pessoas pacíficas, não havia armas ou agressão do nosso lado. Não temos as Forças Armadas da Ucrânia na cidade, apenas civis e pessoas que querem VIVER aqui”, escreveu o prefeito Igor Kolykhaiev em suas redes sociais por volta das 22h de quarta-feira.

Apesar da reivindicação por parte da Rússia sobre o controle da cidade, ainda havia dúvidas, sobretudo entre agências ocidentais da inteligência. A confirmação do prefeito, por sua vez, é a primeira movimentação de uma autoridade ucraniana sobre o assunto, depois de afirmar que a cidade foi “cercada”, e não “tomada”.

Segundo uma testemunha ouvida pela agência de notícias EFE, o centro da cidade “está completamente ocupado por militares russos e veículos blindados pesados”.

“Os militares russos retiraram as bandeiras ucranianas dos edifícios do governo na Praça da Liberdade, mas os moradores as ergueram, não entraram em pânico e começaram a agitá-las na frente deles”, contou a testemunha. 

Continua após a publicidade

Além de Kherson, tropas de Moscou continuam ataques contra Kharkiv, segunda maior cidade ucraniana, e avançam à capital, Kiev.

Mais a leste, em Mariupol, no Mar de Azov, na região de Donetsk, separatistas pró-russos apoiados pelos militares russos garantiram nesta quarta-feira que as suas forças bloquearam a cidade, de acordo com a imprensa russa. No entanto, o Ministério do Interior ucraniano disse que “as batalhas por Mariupol continuam”, pois unidades da Guarda Nacional, juntamente com as Forças Armadas, “mantêm a defesa da cidade”. 

Mais de 2.000 civis foram mortos desde o início da invasão russa à Ucrânia e centenas de estruturas, como instalações de transporte, hospitais, jardins de infância e prédios residenciais foram destruídos, relatou o serviço de emergência ucraniano na quarta-feira.

De acordo com o último relatório militar russo, 1.502 alvos de infraestrutura militar ucraniana foram destruídos desde o início da operação militar na Ucrânia, em 24 de fevereiro. 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)