Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Premiê da Líbia escapa de tentativa de assassinato

Abdullah al-Thinni disse que saiu ileso de um ataque a tiros contra o carro em que ele viajava na cidade de Tobruk. Um segurança do político ficou ferido

O primeiro-ministro da Líbia, Abdullah al-Thinni, escapou nesta terça-feira de uma tentativa de assassinato em Tobruk, cidade costeira localizada ao leste do país. O carro em que o premiê estava foi alvejado por atiradores desconhecidos após al-Thinni deixar uma sessão do Parlamento. O político não saiu ileso, mas um segurança foi baleado e precisou receber cuidados médicos, infirmou um porta-voz do governo.

A Líbia está mergulhada no caos político desde a operação da Otan que aniquilou a ditadura de Muamar Kadafi, em 2011. Al-Thinni tenta governar o país de Tobruk desde que o Parlamento reconhecido pela comunidade internacional foi obrigado a fugir da capital Trípoli, dominada por milícias armadas no ano passado. Os radicais, que também assumiram o controle de Bengasi, a segunda cidade mais importante do país, fundaram um novo Parlamento na capital, mas não contam com nenhuma legitimidade política.

Leia também:

Conflitos obrigam parlamentares a buscar refúgio em embarcação

À agência de notícias Reuters, parlamentares disseram que multidões se aglomeraram em frente ao Parlamento de Tobruk, nesta terça-feira, para protestar contra o mandato de al-Thinni. Após manifestantes atearem fogo a um automóvel que estava estacionado nas proximidades do prédio, o presidente da Casa, Aqila Saleh, pediu que o primeiro-ministro deixasse a construção para sua própria segurança.

Al-Thinni assumiu o governo em março do ano passado e não tem dado indícios de que conseguirá solucionar a crise. A desfragmentação política abriu caminho para o grupo terrorista Estado Islâmico (EI) avançar no país africano. Segundo a rede BBC, algumas milícias armadas atuantes na Líbia juraram lealdade aos radicais. A aliança culminou na execução de jornalistas e civis e permitiu que o EI filmasse ao menos dois vídeos contendo a decapitação de prisioneiros em território líbio.

(Da redação)