Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Polícia francesa prende grupo neonazista suspeito de ‘caça aos judeus’

Operação descobriu 'número alarmante' de armas, incluindo metralhadoras, 30 kg de pólvora e explosivos em Estrasburgo, no nordeste da França

Por Da Redação 3 jun 2022, 17h14

Uma operação da polícia da França descobriu um arsenal de armas depois de prender quatro homens suspeitos de pertencer a um grupo neonazista na região da Alsácia, na fronteira com a Alemanha.

Cerca de 200 policiais detiveram os homens, com idades entre 45 e 53 anos, em suas casas na terça-feira, 31. De acordo com a promotora da região, Edwige Roux-Morizot, foi encontrado no local um “número alarmante” de armas, incluindo metralhadoras, 30 kg de pólvora e materiais para fazer explosivos.

O tenente-coronel Yann Wanson, da unidade policial local, informou que os agentes também apreenderam pelo menos 120.000 cartuchos de munição e cerca de 25.000 euros (128.230 reais). As quantidades de munição são “tão grandes que estamos falando mais em termos de peso”, destacou Wanson, estimando que juntas as balas pesam mais de uma tonelada.

+ Antissemitismo teve aumento dramático em todo o mundo, diz pesquisa

A operação ocorreu após serviços de inteligência determinarem que membros de um pequeno grupo neonazista participaram de uma “caça aos judeus” durante uma partida de futebol na cidade de Estrasburgo, capital da Alsácia.

“Foi o risco de agirem que tornou necessária” a intervenção dos policiais, explicou Roux-Morizot. Segundo a promotora, ainda não foram encontradas provas de nenhum plano específico, mas investigadores encontraram conteúdos antissemitas nos computadores dos suspeitos.

Continua após a publicidade

Os quatro detidos são acusados de tráfico de armas e podem ser condenados a 10 anos de prisão. Dois estão em prisão preventiva e o restante foi colocado em liberdade com controle judicial, explicou a autoridade do Ministério Público francês.

A região administrativa da Alsácia, localizada no leste do país, já foi palco de pelo menos outros três incidentes de vandalismo antissemita em cemitérios judeus desde 2018. Em 2020, mais de 100 lápides foram pichadas com suásticas nazistas.

A França vivencia um aumento acentuado na violência contra judeus. Segundo um estudo divulgado pela Universidade de Tel Aviv em abril, o país registrou um aumento de 75% nos incidentes antissemitas em comparação aos índices de 2020.

Em 2017, o caso de Sarah Halimi, uma mulher judia de 65 anos que foi jogada de sua janela, provocou protestos nacionais após o assassino ter sido absolvido por estar sob a influência de drogas.

+ Sobrevivente do Holocausto é morta na França em possível crime antissemita

O incidente fez o presidente francês, Emmanuel Macron, aprovar em 2021 uma mudança na lei para garantir que as pessoas sejam responsabilizadas por crimes violentos mesmo que sob efeito de psicoativos.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)