Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Antissemitismo teve aumento dramático em todo o mundo, diz pesquisa

Relatório israelense aponta Estados Unidos, Canadá, Reino Unido, Alemanha e Austrália entre os países com maior incidência de crimes de ódio contra judeus

Por Da Redação 27 abr 2022, 11h15

O número de incidentes antissemitas em todo o mundo aumentou dramaticamente em 2021, segundo um estudo da Universidade de Tel Aviv, em Israel, divulgado nesta quarta-feira, 27. O relatório identifica os Estados Unidos, Canadá, Reino Unido, Alemanha e Austrália como os países com maior incidência de crimes de ódio contra judeus.

O Anti-Semitism Worldwide Report 2021 mostra que, nos Estados Unidos, que concentram a maior comunidade de judeus fora de Israel, o número de crimes de ódio contra o grupo em 2021 quase dobrou em relação ao ano anterior.

A França registrou um aumento de 75% nos incidentes antissemitas em comparação aos índices de 2020. Já no Reino Unido, os casos de agressões físicas contra judeus tiveram um crescimento de 78%. A violência física antissemita também aumentou no Canadá, onde um importante grupo judeu relatou um recorde no número de ocorrências em agosto do ano passado.

A Austrália também passou por uma elevação acentuada na intolerância contra o grupo, contabilizando 88 incidentes apenas em maio – o maior total mensal de todos os tempos.

O documento também apontou que na Alemanha, onde ocorreu o genocídio de cerca de seis milhões de judeus na Segunda Guerra Mundial, os incidentes antissemitas aumentaram 29% em comparação com 2020 e 49% em comparação com 2019, indicando tendência de alta.

Os autores do relatório dizem que a razão desse crescimento da intolerância contra judeus se deve em parte às reações ao confronto entre israelitas e palestinos na Faixa de Gaza em maio de 2021. O conflito durou 11 dias e matou 261 pessoas em Gaza, e outras 14 em Israel, segundo as Nações Unidas.

Continua após a publicidade

+ Confronto entre palestinos e israelenses deixa 20 feridos em Jerusalém

A intensificação do extremismo político nas redes sociais também foram apontados como responsáveis pelo aumento do antissemitismo em todo o mundo. O estudo identificou uma proliferação nas mídias sociais de teorias conspiratórias culpando os judeus e Israel por espalhar o vírus durante a pandemia de Covid-19

“Os dados indicam a necessidade de acordos com empresas de mídia social para banir expressões antissemitas de suas plataformas”, afirma a pesquisa.

A maior preocupação dos especialistas, no entanto, é com a chamada “deep web” – parte da internet acessível apenas por meio de software de navegação especial –, onde “o conteúdo antissemita é distribuído de forma livre e aberta”, diz o estudo.

+ Morre aos 107 anos Mimi Reinhardt, secretária que fez a lista de Schindler

A divulgação do relatório coincide com o Dia da Memória do Holocausto de Israel, que começa na noite desta quarta-feira. Conhecido em Israel como Yom HaShoah, o dia é um feriado nacional reservado à recordação dos judeus assassinados pela Alemanha nazista em toda a Europa.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)