Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Lápides de cemitério judeu são pichadas com suásticas nazistas na França

Cemitério de Westhoffen é o terceiro alvo de atentado neonazista na cidade de Estrasburgo e seus arredores desde dezembro de 2018

Por Da Redação Atualizado em 30 jul 2020, 19h34 - Publicado em 4 dez 2019, 16h33

Mais de 100 lápides de um cemitério judeu foram pichadas com imagens que fazem apologia ao nazismo na região francesa da Alsácia, na fronteira com a Alemanha, segundo anunciaram as autoridades locais na terça-feira 3. O território já foi palco de pelo menos outros dois incidentes semelhantes desde dezembro de 2018.

Pelo menos 107 das 700 lápides do cemitério de Westhoffen — cidade que fica a 25 quilômetros a oeste de Estrasburgo, capital da Alsácia — foram pichadas com suásticas na cor preta.

Os vândalos também grafaram inscrições do número “14” nas lápides, em referência ao slogan de 14 palavras do supremacista branco americano David Lane, que morreu em 2007 cumprindo pena de 190 anos de cadeia por conspiração, falsificação e extorsão, dentre outros delitos. O bordão foi inspirado em um trecho do livro Mein Kampf, de Adolf Hitler.

Na manhã da mesma terça-feira, a cerca de 20 quilômetros, o prefeito da cidade francesa de Schaffhouse-sur-Zorn, Jean Hentz, anunciou que a prefeitura e a sinagoga locais haviam sido vandalizadas por neonazistas. Referências a Westhoffen foram encontradas entre as pichações, segundo o jornal local Dernières Nouvelles d’Asalce.

“Judeus são e fazem a França. Aqueles que os atacam, até mesmo seus túmulos, não são dignos da ideia que temos da França”, tuitou o presidente francês Emmanuel Macron. “Antissemitismo é um crime e nós o enfrentaremos em Westhoffen como em qualquer outro lugar até que nossos mortos possam descansar em paz”, concluiu.

O cemitério judeu de Westhoffen é o terceiro em Estrasburgo e arredores a ser alvo de atos neonazistas no último ano. Em fevereiro, pelo menos 80 lápides foram depredadas na comunidade de Quatzenheim. Outras 37 e um memorial ao Holocausto já haviam sido vandalizados em Herrlisheim-près-Colmar.

Como recorda a emissora de rádio francesa Franceinfo, outros cinco atentados semelhantes na Alsácia também foram registrados — nas prefeituras de Thal-Marmoutier e de Haegen (julho de 2018), na residência do prefeito de Brumath (novembro de 2018), em um centro de auxílio para pedidos de asilo em Estrasburgo (janeiro de 2019), na prefeitura de Schirrhoffen (julho de 2019) e na sinagoga de Mommenheim (março de 2019).

Em um caso não relacionado, mas ocorrido no início desta semana, pelo menos quatro usuários da Amazon comercializaram enfeites de natal e outros materiais cotidianos, como abridores de garrafa, com imagens do campo de concentração de Auschwitz, onde mais de um milhão de pessoas foram torturadas e mortas pela ditadura nazista entre 1940 e 1945.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês