Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Plano internacional tenta reprimir Boko Haram

Potências ocidentais devem cooperar com a Nigéria na vigilância e patrulha das fronteiras do país

Por Da Redação
17 Maio 2014, 14h34

Líderes africanos e potências ocidentais chegaram a um acordo sobre um plano internacional de compartilhamento de inteligência e ações coordenadas para lutar contra o grupo radical islâmico Boko Haram, que sequestrou mais de 200 meninas na Nigéria. “Hoje decidimos sobre um plano de ação regional e global, que é de médio e longo prazo”, afirmou em entrevista coletiva neste sábado o presidente francês François Hollande, após reunião com o presidente da Nigéria, Goodluck Jonathan, e outros líderes do Níger, Camarões, Chade e Benin, dos Estados Unidos e da Inglaterra.

Leia também:

Nigéria: civis matam mais de 100 membros do Boko Haram

Pais identificam 77 das meninas sequestradas na Nigéria

Continua após a publicidade

Aviões americanos ajudam em buscas por garotas sequestradas

De acordo com Hollande, o plano prevê que as potências ocidentais cooperem com a Nigéria e os países vizinhos na vigilância e patrulha das fronteiras nigerianas. As potências ocidentais, com seus sofisticados recursos de inteligência, também concordaram em compartilhar algumas de suas informações com a Nigéria, acrescentou Hollande, sem dar detalhes. Autoridades disseram que não haverá operação militar ocidental.

Os milicianos do Boko Haram, que afirmam estar lutando uma guerra santa na Nigéria, movem-se livremente através da fronteira com o vizinho Camarões, onde o acampamento de uma empresa de engenharia chinesa foi atacado nesta sexta-feira. O acampamento está na mesma região onde as estudantes foram sequestradas, no norte do país. O Boko Haram se ofereceu para trocar as 276 meninas que permanecem em cativeiro por rebeldes presos e ameaçam vendê-las como escravas.

Continua após a publicidade

Saiba mais

Boko Haram, o terror que ameaça a maior economia da África

Autoridades britânicas afirmaram que o presidente Goodluck Jonathan, que estava relutante em aceitar ajuda externa, descartou a possibilidade de trocar prisioneiros para as meninas. O presidente nigeriano disse que estava comprometido em encontrar as estudantes que haviam sido sequestradas por Boko Haram e afirmou que o grupo “está agindo claramente como uma operação da Al-Qaeda” e, portanto, o sequestro não é mais um problema local. O presidente francês também fez ligações do Boko Haram com a Al-Qaeda e outras organizações terroristas na África, o que tornava esse um problema para todo o “continente africano e além”.

Continua após a publicidade

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.