Clique e assine a partir de 9,90/mês

Paz na Colômbia: Farc anunciam cessar-fogo definitivo

Acordo histórico entre guerrilha e governo passará a valer a partir da meia noite

Por Da redação - 28 ago 2016, 19h36

As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) decretaram um cessar-fogo definitivo neste domingo a partir da meia-noite (horário local), após a assinatura, na quarta-feira passada, de um histórico acordo de paz disposto pelo presidente colombiano Juan Manuel Santos para por fim a 52 anos de conflito armado. “Ordeno a todos os nossos comandos, a todas as nossas unidades, a todos e a cada um dos nossos combatentes, a cessar o fogo e as hostilidades de forma definitiva contra o Estado colombiano a partir das 24 horas da noite de hoje”, disse à imprensa, em Havana, o líder das Farc, Timoleón Jiménez, conhecido como “Timochenko”.

A Colômbia detém, assim, pela primeira vez a luta com as Farc de forma definitiva, após um conflito que deixou milhares de vítimas entre mortos, deslocados e desaparecidos. “As rivalidades e rancores devem ficar no passado. Hoje, mais do que nunca, lamentamos tanta morte e dor causadas pela guerra. Hoje, mais do que nunca, queremos abraçá-los como compatriotas e começar a trabalhar unidos pela nova Colômbia”, disse Timochenko.

LEIA MAIS:
Farc e governo fecham histórico acordo de paz na Colômbia

Horas antes, o presidente colombiano, Juan Manuel Santos, também havia falado sobre o conflito com a guerrilha. “Nós nos acostumamos tanto com guerra que esquecemos como se sente a paz, como se sente ser um país normal”, disse Santos. Ele afirmou que “a guerra se tornou parte da paisagem” do país e que seus compatriotas “esqueceram os tremendos dramas humanos acarretados por essa dor, esse atraso trazido por esse conflito”.

O acordo foi assinado após 45 meses e cinco dias de intensas negociações. Com a entrada em vigor do cessar-fogo, ficam pendentes outros passos do processo, como a décima conferência das Farc, na qual renunciarão à luta armada e decidirão sua transformação em partido político, que será realizada entre os dias 13 e 19 de setembro no sul do país.

Continua após a publicidade

Igualmente falta a assinatura protocolar do acordo de paz, em um local e data ainda a definir, mas que será entre os dias 20 e 26 de setembro, e o plebiscito de 2 de outubro no qual os colombianos dirão nas urnas se aprovam ou não o que foi estipulado.

Completados esses passos, em um prazo de seis meses, ou seja, em março do próximo ano, deverá estar concluída a desmobilização das Farc.

Cessar-fogo unilateral

Desde 20 de julho de 2015, rege o último cessar-fogo unilateral das Farc como medida para gerar confiança no processo de paz, que foi respondido pelo governo com a suspensão de bombardeios a acampamentos da guerrilha, o que reduziu de maneira considerável a intensidade do conflito. “Este período de 13 meses continua sendo o de menor intensidade do conflito em seus 52 anos de história, em número de vítimas, combatentes mortos e feridos e ações violentas”, constatou em seu mais recente relatório o Centro de Recursos para a Análise de Conflitos (Cerac).

A redução das ações armadas é evidente nas zonas rurais, onde, ao longo das últimas cinco décadas, se concentrou o conflito e onde o povo vê com esperança a chegada da paz. Segundo o relatório do Cerac, durante o último mês esse organismo “não registrou ações nem das Farc nem da polícia contra esta guerrilha, evidenciando um cumprimento completo das partes dos compromissos bilaterais” que tinham caráter provisório e que a partir da meia-noite de hoje serão permanentes.

Continua após a publicidade

(Com agência EFE e France Presse)

Publicidade