Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Papa diz que quem doa à Igreja e rouba o estado é falso cristão

Sumo pontífice voltou a criticar a corrupção em sua homilia no Vaticano

Por Da Redação 11 nov 2013, 10h28

O papa Francisco afirmou nesta segunda-feira, em sua homilia da missa matutina na Casa Santa Marta, no Vaticano, que quem doa à Igreja e rouba do estado é um falso cristão porque leva uma vida dupla. Em seu sermão, o papa argentino afirmou que os homens podem ser “pecadores”, porque todos o somos, “mas não corruptos”. “Todos nós conhecemos alguém que está nesta situação e quanto mal faz à Igreja! Cristãos corruptos, padres corruptos. Quanto mal provocam à Igreja! Porque não vivem no espírito do Evangelho, mas no espírito mundano”, disse o sumo pontífice.

Francisco dedicou um trecho de sua homilia ao perdão e assegurou que “Jesus não se cansa de perdoar e nos aconselha fazer o mesmo com os demais”, mas especificou que o pior é quem não se arrepende de seus pecados. O papa também citou as pessoas que asseguram que são “benfeitoras da Igreja, abrem o bolso e dão para Igreja, mas com a outra mão roubam o estado, os pobres”.

Leia também

Papa Francisco prega contra a “deusa da corrupção”

Papa envia questionário sobre união gay para paróquias

A defesa da humildade e as críticas contra a corrupção vêm se tornando uma marca registrada do papado de Francisco. Nesta sexta-feira, o papa também arremeteu em sua homilia em Santa Marta contra “a deusa da corrupção” ao explicar que a grandeza vem do trabalho digno e não “do caminho mais fácil”.

Recentemente, o papa Francisco aplicou uma punição exemplar ao suspender o padre alemão Franz-Peter Tebartz-van Elst, conhecido como “bispo do luxo”, por tempo indeterminado de sua diocese. Tebartz-van Elst gastou cerca de 31 milhões de euros (mais de 90 milhões de reais) em uma residência oficial em Limburgo, no oeste da Alemanha. A moradia episcopal foi inicialmente orçada em 5,5 milhões de euros (16,4 milhões de reais).

(Com agência EFE)

Continua após a publicidade

Publicidade