Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Obama adverte que será “difícil” defender Israel na ONU

'A comunidade internacional já não acredita que o governo de Israel seja sério sobre a solução de dois Estados', disse o presidente americano

Por Da Redação
Atualizado em 5 jun 2024, 02h12 - Publicado em 3 jun 2015, 09h04

O presidente americano, Barack Obama, advertiu que as declarações do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu contra um Estado palestino dificultarão o trabalho dos Estados Unidos em continuar defendendo Israel perante iniciativas europeias na Organização das Nações Unidas (ONU). “Até agora, rejeitamos todos os esforços europeus e de outros porque dizemos que o único modo de resolver isto é com as duas partes trabalhando juntas. E aqui está o desafio. De fato, não há perspectivas de um processo de paz. Se ninguém acredita que há um processo de paz, então é mais difícil discutir com quem está preocupado com as construções nos assentamentos e com a situação atual”, disse Obama em entrevista na noite de terça a um canal israelense.

Os tradicionais aliados Israel e EUA passam pelo período mais tenso de suas relações desde a instituição do Estado judaico, em 1948. Washington e Tel Aviv discordam em vários pontos, entre eles sobre a construção de novos assentamentos judaicos na Cisjordânia e sobre a negociação de um acordo para frear o programa nuclear iraniano.

Leia também

Vaticano reconhece a Palestina como Estado

Obama diz que enfraquecimento de Israel seria um fracasso de seu governo

Continua após a publicidade

Nos últimos anos, o poder de veto os Estados Unidos impediu levar adiante no Conselho de Segurança da ONU diversas resoluções de condenação da ocupação e que exigiam o fim do conflito entre israelenses e palestinos. Durante a campanha eleitoral, Netanyahu garantiu que, enquanto ele estivesse à frente do governo não haveria um Estado palestino, apesar de posteriormente ter se retratado e mostrado disposição de iniciar um novo processo de diálogo com os palestinos.

“A postura de Netanyahu tem tantas advertências, tantas condições que não é realista pensar que essas condições serão cumpridas em um futuro próximo”, reprovou Obama, que acrescentou que todo o país “perde credibilidade” ao negociar um processo de paz com declarações como essa. “A comunidade internacional já não acredita que Israel seja sério sobre a solução de dois Estados. A declaração do primeiro-ministro agravou essa situação”, afirmou.

Obama também mostrou preocupação com as “políticas israelenses motivadas só pelo medo” que podem levar a “perder os valores centrais que eram a essência desta nação” quando ele era jovem e “admirava Israel”. O presidente americano afirmou ainda que compreende os medos de Israel perante a deterioração da situação no Oriente Médio, mas destacou que deve estar preocupado com o equilíbrio demográfico na região e na pressão que pode crescer em Cisjordânia e Gaza se não houver uma solução ao menos sendo negociada.

(Da redação)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.