Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Líderes se encontram em cúpula extraordinária da Otan nesta quinta-feira

Evento em Bruxelas, que terá discurso do presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, deve formalizar compromissos para ajuda militar e humanitária

Por Da Redação Atualizado em 24 mar 2022, 04h06 - Publicado em 23 mar 2022, 22h41

Quando líderes da Organização do Tratado do Atlântico Norte, a principal aliança militar ocidental, se encontrarem para uma cúpula extraordinária em Bruxelas na quinta-feira, 24, a prioridade máxima será a invasão da Rússia à Ucrânia. O evento, marcado para as 6h, horário de Brasília, deve desdobrar a estratégia de resposta do grupo à ameaça imposta pelo governo de Vladimir Putin.

Enquanto novos compromissos para ajuda militar e humanitária devem ser adotados, a perspectiva para medidas mais duras ainda são escassas, apesar de pressão internacional para intervenção no conflito.

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, participará virtualmente, após ser convidado pela aliança, mesmo seu país não sendo membro. O tema, inclusive, é principal ponto de embate entre Moscou e Kiev e, recentemente, Zelensky chegou a reconhecer que seu país presidente entender que a “porta da Otan não está aberta” para a Ucrânia.

De acordo com o secretário de Imprensa ucraniano, o discurso do presidente será focado em pedir por mais ações que impeçam o ataque a áreas onde há civis e infraestrutura urbana. Desde o início do conflito, a Ucrânia tem acusado a Rússia de realizar bombardeios em regiões com a presença de civis, como um teatro e uma maternidade em Mariupol, atos negados veementemente pelo Kremlin.

Em entrevista feita nesta quarta-feira, às vésperas do encontro, o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, deixou claro que a aliança deve decidir a favor do aumento de forças militares em seu flanco oriental. Uma entrada na guerra, com tropas próprias, no entanto, é altamente improvável, já que ambos os lados alertaram que isso poderia levar à “terceira guerra mundial”.

A decisão segue um aumento expressivo de presença militar na fronteira leste da aliança, com cerca de 40.000 soldados espalhados pelo países bálticos e pelo Mar Negro. Agora, a Otan espera enviar quatro novas unidades de combate em Bulgária, Hungria, Romênia e Eslováquia.

Continua após a publicidade

Em resposta, o porta-voz do governo russo, Dmitry Peskov, já alertou que o envio de tropas à Ucrânia seria “muito imprudente” e “extremamente perigoso”. Segundo o representante, “qualquer possível contato entre nosso Exército e o Exército da Otan pode levar a consequências bastante compreensíveis que são difíceis de ser reparadas”.

Durante entrevista, dando o tom do que deve ser discutido na cúpula, Stoltenberg afirmou que a crise na Ucrânia mostrou que a Otan precisa mudar sua postura em relação a dissuasão e defesa no longo prazo. O assunto deve ser ainda mais discutido na próxima cúpula regular, marcada para o final de junho em Madrid.

Segundo o secretário-geral, também é esperado um acordo para garantir apoio à Ucrânia diante de “ameaças químicas, biológicas, radiológicas e nucleares”.

“Amanhã, espero que os aliados concordem em oferecer apoio adicional, incluindo assistência para cibersegurança, assim como equipamento para ajudar a Ucrânia a se proteger contra ameaças químicas, biológicas, radiológicas e nucleares”, disse o político norueguês, em entrevista coletiva.

Stoltenberg não quis dar detalhes sobre o tipo de equipamento que os membros da Otan poderiam oferecer à Kiev para a defesa neste tipo de cenário, mas garantiu que a aliança está preocupada pela possibilidade de uso destes tipos de armas.

Ele relembrou que o Kremlin já utilizou agentes químicos contra opositores e também no território da Otan, como no ataque ao ex-espião russo Sergey Skripal e a filha dele, na cidade de Salisbury, no Reino Unido, em 2018.

“A Rússia foi parte do uso de armas químicas na Síria. Sustentou e apoiou o regime de Bashar al-Assad, que usou armas químicas várias vezes. Assim, estamos preocupados, e essa também é a razão pela qual estamos preparados e tentaremos amanhã modos de oferecer apoio à Ucrânia para se proteger”, explicou.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)