Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Otan deve enviar mais tropas para leste da Europa, diz secretário-geral

Decisão será tomada durante cúpula em Bruxelas na quinta-feira e segue aumento expressivo de presença militar no flanco oriental da aliança

Por Caio Saad 23 mar 2022, 16h01

A Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) deve decidir na quinta-feira, 24, pelo aumento de forças militares em seu flanco oriental, afirmou o chefe da aliança militar, em meio aos avanços militares russos na Ucrânia. Na véspera de um encontro junto ao G7 e à União Europeia, o secretário-geral Jens Stoltenberg também alertou a Rússia contra o uso de armas nucleares.

A decisão, que será tomada durante cúpula em Bruxelas marcada para as 6h, horário de Brasília, segue um aumento expressivo de presença militar na fronteira leste da aliança, com cerca de 40.000 soldados espalhados pelo países bálticos e pelo Mar Negro. Agora, a Otan espera enviar quatro novas unidades de combate em Bulgária, Hungria, Romênia e Eslováquia.

+ Os números da guerra na Ucrânia, segundo embaixada 

“Espero que líderes concordem em fortalecer a postura da Otan em todos os domínios, com grandes aumentos na parte leste da aliança. Na terra, no ar e no mar”, disse Stoltenberg em entrevista à imprensa nesta quarta-feira, 23.

A fala se dá poucas horas após o porta-voz do governo russo, Dmitry Peskov, afirmar o que o envio de tropas seria “muito imprudente” e “extremamente perigoso”. Segundo o representante, “qualquer possível contato entre nosso Exército e o Exército da Otan pode levar a consequências bastante compreensíveis que são difíceis de ser reparadas”.

Continua após a publicidade

Segundo Stoltenberg, a crise na Ucrânia mostrou que a Otan precisa mudar sua postura em relação a dissuasão e defesa no longo prazo, e o assunto deve ser discutido na próxima cúpula regular, marcada para o final de junho em Madrid.

Em fala nesta quarta-feira, antecipando tópicos que devem ser abordados por líderes, Stoltenberg afirmou também que espera um acordo para garantir apoio à Ucrânia diante de “ameaças químicas, biológicas, radiológicas e nucleares”.

“Amanhã, espero que os aliados concordem em oferecer apoio adicional, incluindo assistência para cibersegurança, assim como equipamento para ajudar a Ucrânia a se proteger contra ameaças químicas, biológicas, radiológicas e nucleares”, disse o político norueguês, em entrevista coletiva.

Stoltenberg não quis dar detalhes sobre o tipo de equipamento que os membros da Otan poderiam oferecer à Kiev para a defesa neste tipo de cenário, mas garantiu que a aliança está preocupada pela possibilidade de uso destes tipos de armas.

Ele relembrou que o Kremlin já utilizou agentes químicos contra opositores e também no território da Otan, como no ataque ao ex-espião russo Sergey Skripal e a filha dele, na cidade de Salisbury, no Reino Unido, em 2018.

“A Rússia foi parte do uso de armas químicas na Síria. Sustentou e apoiou o regime de Bashar al-Assad, que usou armas químicas várias vezes. Assim, estamos preocupados, e essa também é a razão pela qual estamos preparados e tentaremos amanhã modos de oferecer apoio à Ucrânia para se proteger”, explicou.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)