Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Número de mortos em ofensiva de Israel a Gaza chega a 127

Neste sábado, oito ativistas formaram um escudo humano ao redor de um hospital em Gaza, tentando proteger a instalação

Por Da Redação - Atualizado em 10 dez 2018, 10h50 - Publicado em 12 jul 2014, 11h12

Os ataques aéreos israelenses em Gaza prosseguiram na madrugada deste sábado, no quinto dia de ofensiva que provocou até agora a morte de 127 palestinos e deixou mais de 900 pessoas feridas, segundo conta do site do canal americano CNN, feita a partir de dados palestinos. Um dos mísseis atingiu uma instalação que abriga deficientes, matando duas mulheres, de acordo com comunicado do Ministério da Saúde palestino. Militantes de Gaza dispararam cerca de 690 foguetes e morteiros contra Israel, dos quais 138 foram interceptados.

Leia também:

‘Pressão não vai nos impedir de combater terroristas’, diz Netanyahu

Obama oferece a Netanyahu mediação para cessar-fogo entre Israel e Hamas

Publicidade

Neste sábado, oito ativistas de países como Estados Unidos, Venezuela e Suíça formaram um escudo humano ao redor de um hospital em Gaza, tentando proteger a instalação. Segundo o diretor executivo do hospital, o médico Basman Al-Ashi, a unidade abriga pacientes que precisam de cuidados em tempo integral e não podem deixar o local. Os hospitais que não foram afetados diretamente pelos ataques aéreos enfrentam dificuldades como falta de luz e escassez de água.

Israelenses ficaram feridos com os ataques dos radicais do Hamas e de outros grupos militantes de Gaza, mas não houve mortos. O Hamas rejeitou os apelos internacionais pelo fim das hostilidades, alegando que Israel deve cessar fogo primeiro. O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, afirmou nesta sexta-feira que Israel vai resistir às pressões internacionais e manter sua operação em Gaza. Ele também não descartou uma invasão por terra para enfrentar o Hamas, grupo fundamentalista palestino que controla a região. “Estamos pesando todas as possibilidades e nos preparando para todas as alternativas”, disse o premiê em uma entrevista coletiva em Tel Aviv.

Intervenção terrestre – Os preparativos para um possível ataque terrestre continuam e Israel já convocou 40.000 reservistas. Jornalistas da agência France-Presse observaram tanques israelenses em deslocamento durante a noite na direção de Gaza. “No momento estamos na primeira fase: ataques aéreos. Imagino que decidiremos no domingo sobre a próxima etapa”, afirmou na sexta-feira o ministro das Relações Exteriores, Avigdor Lieberman.

O novo conflito é o mais violento desde a operação Pilar de Defesa, de novembro de 2012. Os ataques dos dois lados na ocasião provocaram as mortes de 177 palestinos e de seis israelenses.

Publicidade

O novo episódio de violência começou após o sequestro e assassinato de três estudantes israelenses no início de junho na Cisjordânia ocupada, crimes que Israel atribuiu ao Hamas. Pouco depois, um jovem palestino foi assassinado em Jerusalém por judeus de extrema-direita.

Embed: https://www.youtube.com/watch?v=C6tmNLLB8EU

(Com agência France-Presse)

Publicidade