Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Novo chefe do PC chinês promete combate à corrupção

Xi Jinping assumirá o comando do país em março de 2013. Em seu primeiro discurso, futuro presidente ainda manifestou desejo de continuar reformas

Em seu primeiro discurso após ser oficialmente designado novo secretário-geral e líder do Comitê Permanente do Partido Comunista da China, Xi Jinping afirmou que a luta contra a corrupção será uma das prioridades de seu governo. Pelos próximos 10 anos, período do mandato presidencial e da chefia do partido, Xi, de 59 anos, será a face que comandará a China. Ele sucederá Hu Jintao a partir de março de 2013.

Leia também:

N

ovo presidente traz esperanças para China, mas enfrentará pressões

No discurso histórico feito na abertura do 18º congresso do PC, ao fim do qual Xi foi confirmado como futuro chefe do regime chinês, o atual presidente, Hu Jintao, também falou sobre corrupção – e disse que essa praga pode arruinar o estado chinês. Nesta quinta, Xi afirmou: “O partido enfrenta muitos desafios difíceis, e também existem muitos problemas internos que precisam ser resolvidos, particularmente a corrupção, estar separado do povo, os formalismos e a burocracia causados por alguns membros”. E prosseguiu: “Devemos fazer todos os esforços possíveis para combater esses males. Todo o partido deve se manter em alerta”.

Xi assumirá a Presidência em março de 2013, como esperado, dando início a uma nova era na China. Xi sucederá a Hu Jintao, que nesta quarta deixou seu posto no Comitê Permanente e também a Secretaria-Geral do partido, dando o primeiro passo na transição da “quarta geração” de líderes comunistas – Xi Jinping será o quinto presidente chinês desde Mao Tsé-tung, o líder da revolução que implantou o comunismo no país em 1949. “O desejo do povo por uma vida melhor é pelo que devemos lutar”, afirmou o novo chefe do regime.

Acervo Digital VEJA: Arejar o regime e seguir crescendo, o grande teste da China

Foram definidos também os outros nomes dos novos membros do Comitê Permanente: Li Keqiang (futuro primeiro-ministro), Zhang Dejiang (vice-premiê para energia, comunicações e transporte), Yu Zhengsheng (chefe do PC em Xangai), Liu Yunshan (chefe da propaganda do PC), Wang Qishan (vice-premiê para a economia) e Zhang Gaoli (chefe do partido na cidade de Tianjin). Apenas Xi e Li já integravam o órgão na última formação.

Nomeação – Esperada há meses, a nomeação de Xi Jinping como líder do PC chinês foi definida internamente desde o último congresso do partido, em 2007. Nesta quinta-feira, ele também foi alçado à condição de presidente da Comissão Militar Central, o órgão que controla as Forças Armadas do gigante asiático.

Até agora vice-presidente, Xi era o candidato de consenso entre as facções do Partido Comunista. Dono de um estilo mais aberto ao diálogo e de uma imagem pragmática, ele e os outros seis membros do Comitê Permanente se apresentaram à imprensa por volta do meio-dia (2 horas em Brasília) no Grande Palácio do Povo, em Pequim, onde foi realizado o 18º Congresso do Partido Comunista entre 8 e 14 de novembro.

Em seu primeiro discurso como chefe do PC, Xi louvou “o caráter e a vontade do povo chinês durante seus 5.000 anos de história” e demonstrou a intenção de dar continuidade ao processo de reformas e abertura vivido pela China nas últimas décadas.

Biografia – Analistas destacam que, ao contrário de Hu Jintao – de quem não se sabe com segurança dados básicos como seu local de nascimento -, vários detalhes biográficos do novo líder já são conhecidos, entre eles o seu gosto por filmes de ação de Hollywood e até sua ausência no nascimento de sua filha, Xi Mingze, por motivos de trabalho.

Formado em engenharia química, Xi é integrante da nobreza vermelha (seu pai, um dos fundadores do Partido Comunista chinês, foi homem de confiança e vice-primeiro-ministro de Mao Tsé-tung). Depois de viver, na juventude, no interior da China para conhecer a realidade o povo e de passar uma temporada no estado de Iowa, nos Estados Unidos, Xi ocupou vários cargos oficiais, incluindo secretário do partido em Shangai, até se tornar vice-presidente em 2008.

À frente do país nos próximos 10 anos, ele espera cumprir etapas primordiais para assegurar a continuidade do crescimento e deve ser a face que colocará a China em um novo patamar: o de primeira economia do mundo.