Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

‘Ninguém vai proibir que Brasil aprimore relação com China’, diz Lula

Presidente falou antes de seguir para encontro a portas fechadas com Xi Jinping

Por Da Redação
Atualizado em 14 abr 2023, 11h42 - Publicado em 14 abr 2023, 07h52

Na primeira parte de uma reunião com o presidente chinês, Xi Jinping, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva declarou nesta sexta-feira, 14, em Pequim, que deseja aprofundar a relação entre Brasil e China, e que “ninguém” pode proibir um estreitamento de laços.

“Ontem fizemos visita à Huawei, em uma demonstração que queremos dizer ao mundo que não temos preconceito em nossas relações com os chineses. Ninguém vai proibir que o Brasil aprimore sua relação com a China”, disse Lula, antes de seguir para uma reunião a portas fechadas com Xi.

+ O saldo positivo que Lula espera tirar da viagem à China

Segundo o presidente, é preciso “trabalhar muito” para construir uma agenda com a China que não seja apenas comercial, mesmo que o interesse comercial seja importante. Entre temas que podem ser compartilhados entre governos está o meio ambiente.

“Contamos com a China na nossa luta pela preservação do planeta Terra, defendendo uma política climática mais saudável. Para isso, é extremamente importante uma transição energética para que a gente possa produzir energia mais limpa, sobretudo eólica, solar, biomassa”, disse Lula.

Continua após a publicidade

Antes do encontro com Xi, Lula se encontrou com o primeiro-ministro da China, Li Qiang, e reforçou a intenção de diversificar investimentos na relação bilateral entre Brasil e China.

Entre os acordos bilaterais com a China está, por exemplo, uma parceria para construção do CBERS-6, o sexto de uma linha de satélites. Os modelos mais recentes trazem uma tecnologia que permite o monitoramento de biomas como a Floresta Amazônica, mesmo com nuvens.

É no âmbito econômico que a viagem se mostra mais importante e pode render mais frutos. A China é o principal parceiro comercial do Brasil: 27% de tudo o que foi exportado pelo país no ano passado teve como destino o mercado chinês.

Especialistas ressaltam a oportunidade do Brasil de expandir a exportação de carnes para o gigante asiático, com a autorização e a abertura de novas plantas de produção que tenham permissão para que seu produto seja enviado e consumido pelos chineses.

Segundo dados da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), a China é o principal destino dos produtos do agronegócio brasileiro desde 2013. No ano passado, 31,9% da exportação nacional de produtos do setor teve Pequim como destino.

Continua após a publicidade

Já na infraestrutura, a China é, também, um dos principais investidores no Brasil. De acordo com o Itamaraty, entre 2007 e 2021 o Brasil foi o quarto principal destino internacional de investimentos chineses (4,8% do total) e o principal na América do Sul (48%).

Durante sua passagem por Xangai, Lula se reuniu com o presidente do conselho da maior empresa de construção civil do país, a China Communications Construction Company (CCCC), Wang Tongzhou. No Brasil, a CCCC investe em obras de infraestrutura, como a construção da ponte Salvador-Itaparica.

Segundo o Itamaraty, Tongzhou expressou seu desejo de aumentar a cooperação entre empresas brasileiras e chinesas – e também propôs a criação de mecanismos de troca direta entre o yuan (moeda chinesa) e o real, tirando o dólar da jogada.

Parte da comitiva brasileira na Ásia, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, confirmou que a Casa Civil está preparando possíveis investimentos em infraestrutura e um dos principais locais de captação será a China. A estratégia é “conciliar crescimento econômico com infraestrutura”, disse.

“As empresas da China já falam com cada vez mais liberdade da possibilidade de realizar investimentos em outros países e não centralizar aqui (em seu território). Nós temos uma vantagem que pouquíssimos países do mundo têm, que é uma matriz (energética) muito limpa”, afirmou Haddad.

Continua após a publicidade

O presidente brasileiro reuniu-se ainda com o CEO da empresa de veículos elétricos BYD, Wang Chuanfu. A empresa produz ônibus elétricos e está negociando uma fábrica de automóveis elétricos na Bahia, em Camaçari.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.