Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Morre cientista que liderou criação de Dolly, o primeiro animal clonado

Feito gerou manchetes e debates éticos acalorados em 1996

Por Da Redação
11 set 2023, 16h03

O cientista britânico Ian Wilmut, que liderou as pesquisas que resultaram na criação do primeiro animal clonado no mundo, a ovelha Dolly, morreu aos 79 anos no último domingo, 10. A morte foi anunciada pela Universidade de Edimburgo, onde trabalhava, depois de anos diagnosticado com doença de Parkinson.

A pesquisa do biólogo embriologista, juntamente com Keith Campbell, do instituto de pesquisa em ciências animais da Escócia, foi capaz de criar a ovelha Dolly, o primeiro mamífero a ser clonado a partir de uma célula adulta. O feito gerou manchetes e debates éticos acalorados em 1996.

“Ele liderou esforços para desenvolver técnicas de clonagem, ou transferência nuclear, que poderiam ser usadas para produzir ovelhas geneticamente modificadas. Foram esses esforços que levaram ao nascimento de Megan e Morag em 1995 e de Dolly em 1996”, disse a universidade em um comunicado.

+ A homenagem de rei Charles no aniversário de morte de sua mãe Elizabeth II

Dolly, batizada em homenagem à cantora country Dolly Parton, foi clonada usando um processo chamado transferência nuclear de células somáticas (SCNT), que não envolvia a utilização de fertilização por esperma. O procedimento pegava um óvulo de ovelha, removia seu DNA e substituía pelo de uma célula congelada do úbere de um animal que morreu anos antes, que então era eletrocutado para fazê-lo crescer como um embrião.

Continua após a publicidade

A criação de Dolly desencadeou receios de clonagem reprodutiva humana ou de produção de cópias genéticas de pessoas vivas ou mortas. Porém, os cientistas envolvidos nos experimentos consideravam essa possibilidade muito perigosa.

“Com a triste notícia de hoje do falecimento de Ian Wilmut, a ciência perdeu um nome familiar. Seu legado impulsiona muitas aplicações interessantes emergentes da pesquisa em biologia animal e humana”, disse Bruce Whitelaw, diretor do Instituto Roslin.

Wilmut começou sua carreira acadêmica na Universidade de Nottingham, inicialmente para estudar agricultura, antes de mudar para ciência animal. Ele se transferiu para Universidade de Edimburgo em 2005, recebeu o título de cavaleiro britânico em 2008 e se aposentou da universidade em 2012.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.