Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Meta remove contas de líder supremo do Irã no Instagram e Facebook

Empresa diz que aiatolá Ali Khamenei violou políticas de organizações e indivíduos perigosos do aplicativo, mas não especificou caso

Por Da Redação
Atualizado em 9 fev 2024, 16h25 - Publicado em 9 fev 2024, 15h13

O líder supremo do Irã, Aiatolá Ali Khamenei, teve suas contas removidas no Facebook e Instagram nesta sexta-feira, 9, informou a Meta, dona das redes sociais. Segundo a empresa, o motivo da remoção seria por Khamenei ter violado a política de organizações e indivíduos perigosos do aplicativo.

De acordo com esse termo, organizações ou indivíduos que proclamem uma missão violenta ou estejam envolvidos em violência não podem estar presentes no ambiente virtual. Assim, aqueles que glorificam, apoiam ou representam organizações designadas como terroristas pelo governo dos Estados Unidos também estariam em desacordo com as normas da empresa.

O Irã é acusado de armar o grupo militante palestino Hamas, designado pelo Departamento de Estado dos EUA como Organização Terrorista Estrangeira (FTO). Em 2021, o governo iraniano também foi acusado pelas autoridades americanas de financiar e treinar o grupo. Além disso, acredita-se que também tenha ajudado a armar e treinar rebeldes hutis no Iêmen, igualmente designados como grupo terrorista pelo presidente estadunidense, Joe Biden, no mês passado.

Entretanto, a empresa não deu uma razão específica pela qual a conta de Khamenei se enquadrava na política de organizações e indivíduos perigosos. Antes de ser removida, a conta principal de Khamenei no Instagram tinha mais de 5 milhões de seguidores.

Continua após a publicidade

Outras acusações

Nesta semana, a Microsoft revelou que “atores alinhados ao governo” iraniano lançaram uma série de ataques cibernéticos desde outubro de 2023, data do ataque do Hamas que deu início ao atual conflito com Israel, “destinados a ajudar a causa do Hamas e enfraquecer Israel e seus aliados políticos e parceiros comerciais”.

Ao todo, de acordo com o relatório publicado, houve onze operações iranianas de influência cibernética somente em outubro de 2023, em comparação com uma operação a cada dois meses em 2021. Em dezembro, hackers aliados ao Irã interromperam serviços de streaming de televisão nos Emirados Árabes Unidos, Canadá e Reino Unido e os substituíram por um vídeo que mostrava imagens de palestinos feridos e mortos nas operações militares israelenses.

“Acreditamos que a ameaça representada pelas operações cibernéticas e de influência do Irã cresça à medida que o conflito persistir”, afirmou o relatório da Microsoft Threat Intelligence. “O aumento da ousadia dos atores iranianos e afiliados ao Irã, juntamente com a crescente colaboração entre eles, pressagia uma ameaça crescente antes das eleições nos EUA em novembro”, acrescentou a Microsoft.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.