Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Marinha italiana encontra 30 corpos em barco de imigrantes

Mortos estavam em um barco pesqueiro superlotado que tentava alcançar a Europa ilegalmente. Tragédia motivou crise entre governo e oposição

Trinta corpos de imigrantes ilegais foram encontrados na noite deste domingo em um barco lotado de refugiados no canal da Sicília, informou nesta segunda a Marinha italiana. Os italianos também informaram que conseguiram resgatar 5.000 pessoas durante o fim de semana, todo em embarcações clandestinas superlotadas que tentam entrar na Europa ilegalmente. “Uma equipe médica declarou que as causas dessas mortes provavelmente são asfixia e afogamento, e desaconselhou a retirada dos corpos em razão do pouco espaço”, informa o comunicado da Marinha sobre os mortos. A Marinha confirmou a possibilidade de ter entrado água na embarcação, o que explicaria a morte de alguns refugiados por afogamento e a de outros por asfixia por falta de espaço.

A descoberta macabra aconteceu no momento em que militares subiram a bordo de um pesqueiro que transportava 590 refugiados e imigrantes. O objetivo era deixar em terra firme às pessoas mais necessitadas, incluindo duas grávidas. A embarcação começou a ser rebocada pelo navio Grecale da Marinha italiana e deve chegar a Pozzallo, na região de Ragusa, no sudeste da Sicília, ainda nesta segunda-feira, enquanto o desembarque dos corpos das vítimas esta previsto para terça-feira de manhã.

Leia também

Vídeo mostra imagens inéditas de tragédia com imigrantes

Naufrágio deixa 40 emigrantes mortos no litoral da Líbia

Vídeo que mostra tratamento de imigrantes em Lampedusa choca Itália

“É uma situação de emergência que não podemos enfrentar sozinhos”, advertiu Luigi Ammatuna, prefeito de Pozzallo, afirmando que o cemitério local não poderia receber, por falta de espaço adequado, os 30 cadáveres. “Também é impossível acolher os cerca de 900 imigrantes que estão prestes a desembarcar porque os centros de acolhida de nossa região estão lotados”, acrescentou.

Repercussão – A nova tragédia provocou a ira do partido anti-imigração da Liga do Norte, que denunciou “as camisas ensanguentadas” do chefe de governo Matteo Renzi e de seu ministro do Interior Angelino Alfano. “Trinta novos mortos em uma embarcação. Trinta novos mortos para pesar na consciência daqueles que defendem a operação Mare Nostrum”, escreveu em seu Facebook Matteo Salvini, o chefe da Liga do Norte. A operação, batizada com o nome que os romanos davam ao Mar Mediterrâneo, foi iniciada pela Itália e União Europeia (UE) em 2013 após dois terríveis naufrágios, um na região de Lampedusa e outro perto de Malta, que deixaram quase 400 mortos. “É preciso parar as partidas imediatamente. As camisas de Renzi e Alfano estão ensanguentadas”, ressaltou Matteo Salvini.

A Liga do Norte, assim como outros partidos membros da direita italiana, consideram que a operação Mare Nostrum encoraja os imigrantes, enquanto o governo de centro-esquerda de Matteo Renzi, apoiado por seu aliado de centro-direita, o partido Nuovo Centrodestra (NCD), assegura que esta operação é indispensável para salvar vidas humanas.

Desde o início do ano, segundo as autoridades, mais de 65.000 imigrantes e refugiados, incluindo os 5.000 deste fim de semana, fugindo das guerras e da miséria, desembarcaram na Itália. O recorde de 2011, quando o número de imigrantes atingiu as 63.000 pessoas em razão da Primavera Árabe, já foi ultrapassado. Como o verão no hemisfério norte apenas, as boas condições climáticas devem incitar dezenas de milhares de outros refugiados a tentar a travessia. A Itália obeteve um reforço da Frontex, a agência de monitoramento das fronteiras da Europa, e um apoio adicional para gerenciar o fluxo de imigrantes. Mas o país deseja da UE, e em particular dos países do norte da Europa, uma maior solidariedade na recepção desses imigrantes.

(Com agência France-Presse)