Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Maduro assina decretos e avança na anexação de Essequibo, na Guiana

Conjunto de decretos procura transformar região de Essequibo, rica em petróleo e administrada pela Guiana, no estado venezuelano de "Guiana Essequiba"

Por Da Redação
8 dez 2023, 18h10

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, assinou nesta sexta-feira, 8, um conjunto de decretos para transformar a região de Essequibo, administrada pela Guiana, no estado venezuelano de “Guiana Essequiba”. No último domingo, o líder de Caracas bradou a “vitória esmagadora” do plano de tomada do território após a divulgação do resultado do controverso plebiscito realizado entre os eleitores do país – mais de 95% daqueles que foram às urnas votaram a favor da criação do novo estado.

Ainda na terça-feira, Maduro adiantou a intenção de avançar no plano através de decretos. Entre eles estão a formação de uma comissão para debater estratégias para anexação; a criação do Alto Comissariado para a Defesa e da Zona de Defesa Integral da Guiana Essequiba; a oficialização do novo mapa da Venezuela, incluindo a área confiscada, bem como a sua divulgação em colégios, escolas secundárias e universidades do país.

Essequibo, rica em petróleo e minérios, receberá um setor da estatal Petróleos de Venezuela (PDVSA) e a concessão de licenças para exploração de gás, petróleo e mineração. A região será administrada pela advogada Rodriguez Cabello, com sede na cidade de Tumeremo, na Venezuela. Os 125 mil habitantes, por sua vez, terão acesso a um plano de assistência social e à nova carteira de identidade. Um censo também será realizado.

+ Maduro vai à Rússia se encontrar com Putin em meio à crise com Guiana

Continua após a publicidade

A disputa entre Guiana e Venezuela

A região conturbada, de 160 mil km², compõe 74% do território da Guiana, país que administra a área desde 1996, ano em que declarou independência do Reino Unido. A Venezuela contrapõe que o local foi retirado de seu domínio pela arbitrária sentença de Paris, de 1899.

A disputa voltou a esquentar em 2015, quando foi descoberto petróleo na região de Essequibo. Estima-se que, por lá, existam reservas de 11 bilhões de barris. A maior parte estaria “offshore”, ou seja, no mar. Por causa das reservas fósseis, a Guiana tornou-se o país sul-americano que mais cresce nos últimos anos.

Continua após a publicidade

As assinaturas desta sexta-feira buscam, então, colocar um ponto final da história, com data marcada: 2030. Segundo Maduro, a escolha do calendário tem como objetivo “cumprir o mandato do povo que votou pelo sim”, referindo-se ao referendo de domingo. A consulta pública, no entanto, não possui valor vinculativo e, portanto, não oferece um sinal verde para que o esquerdista coloque as polêmicas intenções em prática.

 

 

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.