Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Macron desiste de retirar ‘bouquinistes’ de Paris durante Olimpíadas

Plano anterior era que tradicionais quiosques de venda de livros e artigos de segunda mão saíssem de cena "por dias"

Por Da Redação
13 fev 2024, 16h45

O presidente da França, Emmanuel Macron, desistiu nesta terça-feira, 13, de retirar “por dias” durante a Olimpíada de Paris os chamados bouquinistes, tradicionais quiosques de venda de livros e artigos de segunda mão que estão instalados à beira do rio Sena. A decisão foi comunicada ao Ministério do Interior e ao chefe da polícia parisiense, Laurent Nuñez.

“O presidente pediu ao ministro do Interior e ao prefeito da polícia de Paris que preservassem o grupo de livreiros e não obrigassem nenhum deles a se mudar”, na ausência de uma “solução consensual”, afirmou.

Defensor ferrenho da medida, Nuñez alegava que a retirada dos livreiros era motivada por questões de segurança. Até então, cerca de 600 vendedores seriam retirados, a contragosto, das margens do popular ponto turístico francês. Os donos dos tradicionais estabelecimentos rejeitavam o plano do Palácio do Eliseu, que buscava abrir espaço para os 15 milhões de visitantes que chegarão à Cidade Luz para os Jogos.

Por lá, as reclamações eram as das mais variadas: desde a possível destruição de algum dos 932 quiosques durante a operação de retirada, já que alguns foram instalados há 150 anos, até movimentação das obras cuidadosamente enfileiradas em ordem específica, esmero que levou décadas.

Em publicação no X, antigo Twitter, a ministra da Cultura, Rachida Dati, agradeceu ao presidente “por ter ouvido os argumentos dos livreiros de segunda mão e os seus pedidos”.

Continua após a publicidade

+ Águas turbulentas: os desafios da abertura dos Jogos Olímpicos de Paris

A decisão desta terça-feira coloca, então, um ponto final na novela sobre o “patrimônio vivo da capital”, como Macron chamou os quiosques. Em nota, o presidente francês solicitou “que o sistema de segurança seja adaptado em conformidade”, uma vez que a capacidade da cerimônia abertura foi reduzida para 300 mil pessoas.

O corte pela metade foi informado pelo ministro do Interior da França, Gerald Darmanin, em janeiro, e teria sido motivado também por razões de segurança — o país lida, de tempos em tempos, com ameaças terroristas. A França figura entre os principais alvos dos ataques extremistas desde 2015, quando 130 pessoas foram mortas na capital francesa em ataques suicidas e armados coordenados pelo grupo jihadista Estado Islâmico.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.