Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Liga Árabe constata violência contínua na Síria

Grupo divulgou documento preliminar que confirma presença de veículos militares na maioria das cidades, além de corpos nas ruas

Por Da Redação 8 jan 2012, 07h59

A missão de observadores da Liga Árabe na Síria constata que a violência continua no país, afetado por protestos populares e pela repressão do regime de Bashar Assad, e destaca que as forças militares permanecem mobilizadas nas cidades. A informação foi divulgada no relatório preliminar do grupo apresentado neste domingo.

Fontes diplomáticas que tiveram acesso ao documento disseram que o relatório comprova a presença de veículos do exército na maioria das cidades visitadas pelos observadores. Eles também afirmam terem visto corpos nas ruas, embora oposição e governo se acusem mutuamente da autoria dos assassinatos. O documento recomenda que a missão árabe, liderada pelo general sudanês Mohammed al-Dabi, prossiga seus trabalhos e pede que ela seja apoiada por um “número suficiente” de observadores e por “equipamentos tecnológicos modernos”.

Detalhes – Apresentado neste domingo ao secretário-geral da Liga Árabe, Nabil el-Araby, o relatório consiste em um estudo detalhado – após dez dias de trabalho – com as observações da missão encarregada de verificar se o regime Assad cumpriu a promessa de cessar a violência na Síria e retirar as tropas militares das cidades. Os observadores constataram que as violações de direitos humanos continuam, da mesma forma que os assassinatos e a presença de fenômenos armados.

A missão da Liga Árabe, composta por mais de 150 pessoas, afirma ter visto imagens de manifestantes opositores mortos a tiros, assim como imagens de veículos militares nos arredores das cidades. Os observadores denunciam ter sofrido assédio tanto por parte do governo sírio quanto da oposição, que buscam convencer os observadores sobre suas respectivas opiniões. A delegação da Liga reivindica maior liberdade de movimentos para trabalhar.

O grupo destaca ainda que há prisioneiros com paradeiro desconhecido ou sobre quem não se sabe sequer se permanecem vivos, embora o governo sírio tenha comunicado a libertação de 3.484 presos políticos envolvidos nos protestos.

A delegação da Liga ressalta também as dificuldades que os meios de comunicação sofrem para apurar informações e noticiá-las, sobretudo os meios críticos ao regime. Os observadores constatam que as emissoras árabes de televisão por satélite Al Jazeera e Al Arabiya estão barradas oficialmente de entrar na Síria.

O grupo de contato da Liga Árabe para a Síria examinará neste domingo, em reunião, as conclusões de sua missão de observadores, que iniciou os trabalhos em 22 de dezembro.

(Com agência EFE)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)