Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Kerry chega a Riad para dissipar tensões com Arábia Saudita

Arábia Saudita criticou os Estados Unidos por não ter tomado nenhuma medida militar após ataque sírio com armas químicas contra civis

Por Da Redação
4 nov 2013, 07h29

O secretário de Estado americano, John Kerry, chegou na noite deste domingo a Riad, capital da Arábia Saudita. A missão de Kerry é dissipar as tensões com os árabes depois de divergências políticas em relação a Síria, Egito e Irã. No Egito, onde esteve antes de viajar para a Arábia, o secretário americano disse que Washington tem “táticas” diferentes com seus aliados em relação à Síria, mas que buscam um único objetivo: um governo de transição sem o ditador Bashar al-Assad.

A Arábia Saudita, um aliado estratégico dos Estados Unidos na região, critica o governo americano por não ter realizado uma ação militar contra o regime de Damasco, após um ataque com armas químicas em um subúrbio da capital síria que matou centenas de civis. “Há alguns países que gostariam que os Estados Unidos fizessem algo em particular em relação à Síria, mas agimos de outra forma”, admitiu Kerry, no Cairo. “Estas diferenças táticas individuais não implicam em diferença no objetivo fundamental”, explicou.

Leia também

Kerry chega ao Cairo na primeira escala de sua viagem pelo Oriente Médio

Síria destruiu instalações de produção de armas químicas, diz Opaq

Ainda sobre a delicada situação na Síria, Kerry incentivou um governo de transição e afirmou que Assad não faz parte do futuro político do país: “Compartilhamos o mesmo objetivo, que é salvar o estado sírio e instalar um governo de transição que possa dar ao povo uma oportunidade de escolher seu futuro. Pensamos também que Assad, por ter perdido toda a autoridade moral, não pode fazer parte [de um futuro governo]”, disse.

A Arábia Saudita é a segunda escala do secretário de Estado americano em sua viagem ao Oriente Médio. Em sua primeira parada, no Cairo, Kerry condenou qualquer ato de violência no país, principalmente os atentados contra as forças de segurança, e ressaltou a importância de que se estabeleça brevemente no país um governo “civil, inclusivo e eleito democraticamente”, além de um novo regime constitucional.

(Com agência AFP)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.