Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Justiça russa concede direito à fiança para o último militante preso

O australiano Colin Russell poderá sair da prisão após o pagamento de 2 milhões de rublos

Por Da Redação 28 nov 2013, 10h06

A Justiça russa decidiu nesta quinta-feira que o último membro da tripulação do barco de Greenpeace detido na Rússia, o australiano Colin Russell, poderá ler libertado após pagamento de fiança, anunciou a ONG. “Excelente notícia! O australiano Colin Russell será libertado sob fiança”, escreveu o Greenpeace em sua conta no Twitter. O tribunal de São Petersburgo fixou a fiança em 2 milhões de rublos (cerca de 140 000 reais), assim como para os demais ativistas, que já deixaram a prisão mas que não podem sair da Rússia. “O Greenpeace International espera pagar a fiança ainda hoje, para que Colin seja libertado antes do fim de semana”, indicou a ONG em um comunicado.

Russel, que passou 71 dias na prisão, era o único militante dos 30 membros da tripulação do Arctic Sunrise que não havia sido beneficiado por esta medida em primeira instância. Ele foi o primeiro a se apresentar ao tribunal, que determinou a prorrogação de sua detenção por mais três meses, até 24 de fevereiro.

Leia também

‘Foram os dois meses mais difíceis da minha vida’, afirma Ana Paula Maciel

Os 30 membros da tripulação presos em setembro, depois de uma ação contra uma plataforma de petróleo da Gazprom no Ártico, foram acusados ​​de pirataria e, ao final de outubro, de vandalismo. A acusação pode resultar em uma pena de até sete anos de detenção. Primeiramente, eles permaneceram várias semanas detidos em Murmansk e foram transferidos no início de novembro para São Petersburgo.

No entanto, apesar da alteração da acusação, “ficou claro durante as audiências para definir o direito à liberdade sob fiança que a Comissão de Investigação irá prosseguir com a acusação de pirataria”, comunicou o Greenpeace em seu site. “Não sabemos quando os ativistas não-russos poderão retornar para suas casas. E, por enquanto, todos irão permanecer em São Petersburgo”, acrescenta a ONG.

(Com agência France-Presse)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês