Clique e assine a partir de 9,90/mês

Justiça dos EUA libera brasileira detida para voltar ao Brasil

Anna Stéfane Radeck ficou 20 dias detida em um abrigo para imigrantes ilegais em Chicago. Juiz pediu desculpas em nome do governo americano pelo incidente

Por Da redação - Atualizado em 31 Aug 2016, 10h38 - Publicado em 31 Aug 2016, 10h28

A adolescente brasileira Anna Stéfane Radeck foi liberada na noite desta terça-feira pela Justiça americana para voltar ao Brasil. A jovem, que tem 17 anos, ficou 20 dias detida em um abrigo para imigrantes ilegais em Chicago. Ao declarar Anna Stéfane livre para embarcar para o Brasil, a Justiça dos Estados Unidos informou que ela pode voltar ao país quando e quantas vezes quiser. Anna Stéfane e sua mãe devem retornar ao Brasil em breve, mas ainda não revelaram a data precisa.

A adolescente foi apreendida no dia 10 deste mês no aeroporto de Detroit por estar desacompanhada de um maior responsável. Depois de passar 10 horas em uma sala no aeroporto, ela foi transferida para o abrigo em Chicago. No abrigo, ela tomou dez vacinas e só pode contatar sua família no Brasil três dias depois que ingressou no local.

Leia também
Juiz se desculpa em nome do governo por detenção de jovem nos EUA
Brasileira barrada na imigração está presa nos EUA sem explicação
Mais uma menor brasileira foi barrada e detida nos EUA

A enfermeira Liliane Carvalho, mãe da adolescente, chegou aos Estados Unidos cinco dias depois da detenção da filha, para tentar liberá-la, mas disse que não foi autorizada a entrar no abrigo, nem foi informada do motivo da detenção. Segundo a enfermeira, Anna Stéfane tinha autorização dos pais para viajar sozinha. Em Chicago, Liliane ficou hospedada na casa de um pastor da Igreja Adventista.

Desculpas — Liliane participou de uma audiência na tarde desta terça em que o juiz pediu desculpas em nome do governo americano pelo incidente. De acordo com a advogada especialista em imigração Ana Paula Dias Marques, os Estados Unidos têm liberdade para desautorizar a entrada de qualquer pessoa, mesmo que possua todos os documentos necessários. Porém, o procedimento padrão é deportar a pessoa barrada no próximo voo disponível.

Continua após a publicidade

(Da redação)

Publicidade