Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Justiça derruba decisão de Trump para explorar petróleo no Ártico

No entendimento da juíza Gleason, Trump excedeu sua autoridade quando reverteu as proibições de perfuração de petróleo na região

Por Estadão Conteúdo Atualizado em 30 jul 2020, 19h51 - Publicado em 30 mar 2019, 20h29

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, excedeu sua autoridade quando reverteu as proibições de perfuração de petróleo offshore na região do Ártico, disse a juíza federal Sharon Gleason em uma decisão que restaurou as restrições ambientais da era Obama e derrubou a ordem executiva do republicano.

No entendimento de Gleason, juíza pelo Alasca, os presidentes americanos têm o poder de editar ordens executivas definindo ou não áreas ambientais, mas não podem revogar decisões anteriores.

“A redação da ordem executiva do presidente Barack Obama indica que ele pretendia que elas se estendessem indefinidamente e que, portanto, fossem revogáveis apenas por um ato do Congresso”, disse Gleason, que foi nomeada ao cargo por Barack Obama.

O porta-voz do Departamento de Justiça, Jeremy Edwards, recusou-se a comentar o caso neste sábado.

Continua após a publicidade

O Instituto Americano de Petróleo (API, na sigla em inglês), um réu no caso, discordou da decisão. “Além de trazer suprimentos de energia a preços acessíveis para os consumidores nas próximas décadas, o desenvolvimento de nossos abundantes recursos em alto mar pode fornecer bilhões em receita ao governo, criar milhares de empregos e também fortalecer nossa segurança nacional”, afirmou a instituição, em um comunicado.

Erik Grafe, um advogado da ONG Earthjustice, saudou a decisão, dizendo que “mostra que o presidente não pode simplesmente atropelar a Constituição para fazer a oferta de seus companheiros na indústria de combustíveis fósseis em detrimento de nossos oceanos, vida selvagem e clima”.

A Earthjustice representou numerosos grupos ambientais que processaram a administração Trump pela ordem executiva de abril de 2017, revertendo as proibições de perfuração. Em questão, no caso, estava a Lei das Terras Offshore de Plataforma Continental.

Em 2015, Obama suspendeu a exploração nas áreas costeiras dos mares de Beaufort e Chukchi, uma área importante para as morsas. No final de 2016, a região em que a exploração não era permitida foi expandida.

As proibições foram destinadas a proteger os ursos polares, morsas, focas e vilas nativas do Alasca que dependem dos recursos naturais.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)