Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Janot pede que Indonésia adie execução de brasileiro

Procurador-geral da República sugere outra forma de punição, como o cumprimento de prisão no Brasil. Traficante deve ser fulizado neste sábado

Por Da Redação
16 jan 2015, 21h21

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, enviou uma carta ao chefe do Ministério Público da Indonésia pedindo o adiamento da execução de Marco Archer Cardoso Moreira, marcada para este fim de semana. Caso o adiamento seja concedido, a intenção é promover um diálogo entre as procuradorias no sentido de que a condenação à pena de morte por tráfico de drogas seja reconsiderada.

Na mesma correspondência, o procurador-geral da República solicitou que seja considerada a possibilidade de comutação da pena de Rodrigo Muxfeldt Gularte, também condenado à morte por tráfico.

Janot demonstrou respeito pelos esforços da Indonésia para combater essa prática criminosa e disse que não pretende desrespeitar a soberania do país nem pedir anistia aos condenados, apenas solicitar que outras formas de punição, com o cumprimento da pena de prisão no Brasil, a partir de um acordo entre os dois países.

“Apesar de seus atos ilícitos, devemos considerar a situação extrema de ser sentenciado à morte em uma terra estrangeira. Tal circunstância produz uma sensação de solidão e abandono”, argumentou.

Leia também:

Em conversa com Dilma, presidente indonésio nega clemência a brasileiro

Continua após a publicidade

“Mereço mais uma chance”, diz brasileiro condenado na Indonésia

Anistia Internacional pede que Indonésia não execute brasileiro

Transferência de presos – Caso o pedido seja aceito, o gesto do governo indonésio será “sempre lembrado pelo povo brasileiro como um ato de humanidade e boa vontade e irá certamente elevar as perspectivas para cooperação bilateral”, acrescentou Janot. Ele citou ainda a possibilidade de uma missão oficial brasileira, com representantes de alto nível, visitar Jacarta para discutir a situação dos brasileiros e mecanismos de cooperação.

O procurador-geral da República sugere também a negociação de um novo tratado para a transferência de presos entre os dois países, e destacou a importância da assistência jurídica mútua e do fortalecimento dos protocolos de extradição, propondo que os dois Ministérios Públicos trabalhem em um memorando de entendimento. “Isso certamente nos aproximaria, com o fim reforçar nossa relação de confiança, amizade e cordialidade”, concluiu.

Leia mais:

Quase 1.000 brasileiros estão presos por tráfico no exterior

Holanda também tenta evitar execução de condenado na Indonésia

Dilma ouve um ‘não’ – A solicitação foi feita depois que o presidente Joko Widodo negou um apelo pessoal da presidente Dilma Rousseff em favor dos brasileiros condenados à morte. Em conversa telefônica, a presidente “ressaltou ter consciência da gravidade dos crimes cometidos pelos brasileiros e disse respeitar a soberania da Indonésia e do seu sistema judiciário”, informou o Palácio do Planalto. O apelo foi feito “como chefe de Estado e como mãe, por razões eminentemente humanitárias”. “A presidente recordou que o ordenamento jurídico brasileiro não comporta a pena de morte e que seu enfático apelo pessoal expressava o sentimento da sociedade brasileira”.

O assessor especial para assuntos internacionais da Presidência, Marco Aurélio Garcia, afirmou que o governo brasileiro considerou “extremamente frustrante” a negativa da Indonésia. “Evidentemente isso vai criar uma dificuldade grande no relacionamento entre Indonésia e Brasil porque nos parece que, respeitando a legislação daquele país, de qualquer maneira está se utilizando uma pena extremamente pesada para um crime, grave, mas que poderia perfeitamente ser resolvido de outra forma”.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.