Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Israel pede proteção a judeus após ato contra viajantes na Rússia

Multidão invadiu aeroporto de Makhachkala, na região russa do Daguestão, no domingo

Por Da Redação
30 out 2023, 11h05

O governo israelense pediu à Rússia que tome medidas para garantir a proteção de judeus no país, após uma multidão invadir o aeroporto de Makhachkala, na região russa do Daguestão, de maioria muçulmana, em busca de passageiros judeus que chegavam de Israel. Durante o episódio, no domingo, 29, parte da população local também sitiou um hotel em busca de hóspedes israelenses depois que surgiram relatos de que um voo de Tel Aviv estava chegando à cidade.

Os passageiros foram obrigados a se refugiar nos aviões e se esconder no aeroporto com medo de serem atacados. Embora os viajantes tenham ficado seguros, as autoridades de saúde locais disseram que 20 pessoas ficaram feridas, incluindo duas em estado crítico.

A agência de notícias RIA disse que 60 pessoas foram posteriormente detidas, acrescentando que 150 dos manifestantes foram identificados. Vídeos postados nas redes sociais mostraram centenas de jovens, alguns carregando bandeiras palestinas ou cartazes denunciando Israel, invadindo a pista do aeroporto, subindo em aviões parados e tentando arrombar as janelas.

+ Tanques israelenses se aproximam da Cidade de Gaza, diz agência

Continua após a publicidade

Depois que a pista foi atingida, funcionários de companhias aéreas foram obrigados a empurrar os passageiros de volta nos aviões. A Rússia fechou o aeroporto de Makhachkala na noite de domingo devido à invasão.

+ Israel atinge 600 alvos do Hamas em ataque aéreo durante invasão por terra

Os tumultos parecem ter sido inspirados por uma série de publicações no aplicativo de troca de mensagens Telegram, onde os seguidores foram informados de que um voo de Tel Aviv chegaria naquela noite com refugiados de Israel. Alguns dos cartazes dos manifestantes diziam: “Somos contra os refugiados judeus”.

Continua após a publicidade

O governo do Daguestão disse na manhã desta segunda-feira, 30, que estava reforçando as medidas de segurança em toda a república, onde vivem cerca de 3 milhões de pessoas. Sergei Melikov, governador local, disse que o incidente foi uma violação grave da lei, mesmo quando a população “se compadece com o sofrimento das vítimas das ações de pessoas e políticos injustos, e rezam pela paz na Palestina”.

+ Conselho de Segurança da ONU se reúne para discutir guerra Israel-Hamas

Os relatos de atos antijudaicos, porém, não se limitaram a Makhachkala. Em Nalchik, outra cidade na região vizinha de Kabardino-Balkaria, um centro judaico planejado foi incendiado na manhã do último domingo, 29.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.