Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Guiana diz que vai acionar Conselho de Segurança da ONU sobre Essequibo

Presidente Irfaan Ali chamou Venezuela de 'fora da lei' após Nicolás Maduro anunciar mapa da nação com a região guianesa anexada

Por Da Redação
Atualizado em 6 dez 2023, 16h12 - Publicado em 6 dez 2023, 08h49

O presidente da Guiana, Mohamed Irfaan Ali, disse nesta quarta-feira, 6, que pretende acionar o Conselho de Segurança das Nações Unidas depois de a Venezuela divulgar um novo mapa do país com o território de Essequibo anexado, região rica em petróleo que está em disputa.

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, entregou na terça-feira 5 uma proposta de lei à Assembleia Nacional para criar a província venezuelana “Guiana Esequiba”, incorporando o território do vizinho. Ele também ordenou que a petroleira estatal PDVSA conceda licenças para a exploração de petróleo, gás e minerais na área.

A hipótese de acionar o Conselho de Segurança já havia sido ventilada pelas autoridades do país caso a situação escalasse.

“Alerta máximo”

Ifaan Ali afirmou que as ações de Maduro são um “desrespeito flagrante” à decisão da Corte Internacional de Justiça (CJI), que proibiu a Venezuela de tentar anexar Essequibo.

“A Força de Defesa da Guiana está em alerta máximo. A Venezuela declarou-se claramente uma nação fora da lei”, afirmou o presidente da Guiana, acrescentando que também conversou com o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres.

Continua após a publicidade

Disputa histórica

A posse de Essequibo foi concedida em 1899 à Guiana, à época uma colônia inglesa, por meio de arbitragem feita pelos Estados Unidos. A Venezuela questiona desde então a decisão e, em 1966, chegou a firmar um acordo com a Inglaterra, que reconhecia como nulo o Laudo Arbitral. Naquele mesmo ano, no entanto, a Guiana conquistou a independência, o que na prática manteve o acordo em suspenso até hoje. Desde então, a Venezuela considera o caso em aberto, à espera de uma solução.

A disputa voltou a esquentar em 2015, quando foi descoberto petróleo na região de Essequibo. Estima-se que na Guiana existam reservas de 11 bilhões de barris, sendo que a parte mais significativa é “offshore”, ou seja, no mar. Por causa das reservas fósseis, a Guiana tornou-se o país sul-americano que mais cresce nos últimos anos.

Investidores

Um consórcio liderado pela Exxon Mobil começou a produzir petróleo na costa da Guiana no final de 2019, e as exportações começaram em 2020. O presidente da Guiana afirmou que os investidores do país não precisam se preocupar com as ameaças venezuelanas.

“Nossa mensagem é muito clara: seus investimentos estão seguros”, declarou. “Nossos parceiros e a comunidade internacional estão prontos e nos garantiram apoio.”

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.