Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Finlândia é o país mais feliz do mundo e Sudão do Sul, o menos

Brasil perde quatro posições no ranking de Felicidade Mundial e figura em 32º lugar em 2018

Por Da Redação Atualizado em 30 jul 2020, 19h52 - Publicado em 20 mar 2019, 14h56

Um relatório sobre Felicidade Mundial divulgado nesta quarta-feira, cuja elaboração foi apoiada pela Organização das Nações Unidas (ONU), aponta a Finlândia como o país mais feliz do mundo, enquanto o Brasil ocupa a 32ª colocação nesse ranking de 156 nações. Em último lugar está o Sudão do Sul.

O relatório foi divulgado por ocasião da celebração do Dia Internacional da Felicidade. Ele avalia a qualidade de vida das pessoas em um total de 156 países mediante o exame de uma  “variedade de medidas de bem-estar subjetivas”. O documento já é publicado há sete anos.

Neste ano, o conteúdo do documento procura entender “como a felicidade foi mudando nos últimos doze anos e como a tecnologia da informação, o governo e as normas sociais influenciam nas comunidades”.

Mas o relatório também levou em conta outras variáveis tangíveis, como os níveis de educação, o apoio social, a eficiência dos governos, a expectativa de vida e a corrupção.

No novo documento, depois da Finlândia, que obteve um total de 7.769 pontos, aparecem outros quatro países europeus: Dinamarca, Noruega, Islândia e a Holanda.

Continua após a publicidade

O primeiro país fora do continente europeu que aparece nesta lista é a Nova Zelândia, que ocupa o oitavo lugar, seguida pelo Canadá.  Na América Latina, o país mais feliz é a Costa Rica, que ocupa a 12ª posição. Seguem-se o México, em 23°, o Chile, em 26°, a Guatemala, em 27°, e o Panamá, que está em 31°.

O Brasil aparece na 32° posição, sendo o segundo país mais feliz da América do Sul, atrás apenas do Chile. Mas perdeu quatro posições desde 2017, quando figurava em 28º lugar.

Por outro lado, o Sudão do Sul ocupa a última posição na lista, atrás da República Centro-Africana, do Afeganistão, da Tanzânia e de Ruanda. Todos esses países estão afetados por conflitos bélicos ou ações terroristas.

(Com EFE)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)