Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

EUA farão manobras militares na Guiana em meio a disputa com Venezuela

Anúncio ocorre após Caracas realizar referendo e traçar plano para anexação do território rico em petróleo de Essequibo

Por Da Redação
Atualizado em 7 dez 2023, 12h28 - Publicado em 7 dez 2023, 12h00

Os Estados Unidos anunciaram nesta quinta-feira, 7, que aviões militares farão um exercício conjunto com a Guiana, com foco na região de Essequibo, fonte de tensa disputa territorial com a Venezuela.

As manobras, segundo a Embaixada dos Estados Unidos na Guiana, acontecerão em parceria com a Força Aérea guianesa e fazem parte das operações de rotina da parceria, que ambos os países mantêm desde 2022.

“Este exercício baseia-se no envolvimento e nas operações de rotina para melhorar a parceria de segurança entre os Estados Unidos e a Guiana e para reforçar a cooperação regional”, declarou a Embaixada em comunicado.

+ Guiana diz que vai acionar Conselho de Segurança da ONU sobre Essequibo

“Além deste exercício, o Comando Sul dos Estados Unidos continuará a sua colaboração com a Força de Defesa da Guiana nas áreas de preparação para desastres, segurança aérea e marítima e combate às organizações criminosas transnacionais”, completou. Washington também estuda a construção de uma base militar em Essequibo.

Continua após a publicidade

“Forte parceria”

Também nesta quinta, o secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken, ligou para o presidente guianês, Mohamed Irfaan Ali, para expressar apoio dos americanos à Guiana e debater a “cooperação robusta” na área de segurança.

O porta-voz do Departamento de Estado, Matthew Miller, afirmou que os Estados Unidos “esperam continuar a nossa forte parceria assim que a Guiana aderir ao Conselho de Segurança das Nações Unidas em 2024”.

Tensões

Este será o primeiro movimento do Exército americano no local desde que Caracas realizou um referendo, no domingo 3, a respeito da anexação de Essequibo, território atualmente controlado pela Guiana, que equivale a dois terços do país, mas que o governo venezuelano reivindica como seu. Logo depois, Nicolás Maduro anunciou um “novo mapa” da sua nação, com a incorporação da região guianesa.

+ Maduro propõe província em área da Guiana e exibe ‘novo mapa’ da Venezuela

O anúncio das manobras conjuntas também acontece um dia depois de um helicóptero do Exército da Guiana com sete pessoas a bordo, incluindo cinco militares de alta patente, desaparecer perto da fronteira com a Venezuela.

Os militares fariam uma inspeção dos soldados situados na área de fronteira. Na manhã desta quinta, autoridades do país ainda investigavam as causas do desaparecimento, e afirmaram que Washington vai ajudar nas buscas.

Disputa histórica

A posse de Essequibo foi concedida em 1899 à Guiana, à época uma colônia inglesa, por meio de arbitragem feita pelos Estados Unidos. A Venezuela questiona desde então a decisão e, em 1966, chegou a firmar um acordo com a Inglaterra, que reconhecia como nulo o Laudo Arbitral. Naquele mesmo ano, no entanto, a Guiana conquistou a independência, o que na prática manteve o acordo em suspenso até hoje. Desde então, a Venezuela considera o caso em aberto, à espera de uma solução.

A disputa voltou a esquentar em 2015, quando foi descoberto petróleo na região de Essequibo. Estima-se que na Guiana existam reservas de 11 bilhões de barris, sendo que a parte mais significativa é “offshore”, ou seja, no mar. Por causa das reservas fósseis, a Guiana tornou-se o país sul-americano que mais cresce nos últimos anos.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.