Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

EUA descartam intervenção na Síria sem o aval da ONU

Apesar das críticas aos vetos da Rússia, Panetta rejeitou uma ação unilateral

Por Da Redação
1 jun 2012, 03h30

O secretário de Defesa dos Estados Unidos, Leon Panetta, descartou nesta quinta-feira uma eventual intervenção militar americana na Síria sem o aval das Nações Unidas.

Entenda o caso

  1. • Na onda da Primavera Árabe, que teve início na Tunísia, sírios saíram às ruas em 15 de março de 2011 para protestar contra o regime de Bashar Assad, no poder há 11 anos.
  2. • Desde então, os rebeldes sofrem violenta repressão pelas forças de segurança, que já mataram mais de 10.000 pessoas no país.
  3. • A ONU alerta que a situação humanitária é crítica e investiga denúncias de crimes contra a humanidade por parte do regime.

Leia mais no Tema ‘Guerra Civil na Síria’

A declaração acontece um dia depois de duas altas funcionárias do governo Obama terem criticado os constantes vetos da Rússia na ONU a uma ação militar estrangeira no país árabe. Na quarta-feira, a secretária de Estado, Hillary Clinton, afirmou que a postura do Kremlin pode provocar uma guerra civil síria. A embaixadora dos EUA nas Nações Unidas, Susan Rice, foi mais clara e advertiu que uma intervenção militar seria a única opção caso os russos persistam em bloquear sanções firmes contra Damasco.

Continua após a publicidade

Pressão diplomática – Em uma entrevista a bordo de um avião militar da Força Aérea americana, o secretário de Defesa qualificou de intolerável o derramamento de sangue na Síria e afirmou que os EUA mantêm “todas as opções sobre a mesa” para adotar contra o regime de Bashar Assad. Panetta, no entanto, rejeitou a possibilidade de uma intervenção militar não legitimada pelo Conselho de Segurança da ONU. “Não posso imaginar isto”, respondeu ele ao ser perguntado sobre o tema. Segundo o secretário de imprensa da Defesa, George Little, os EUA continuarão apostando no aumento das pressões diplomáticas e econômicas sobre o regime de Assad.

Desde o início da revolta popular na Síria, em março de 2011, mais de 13 mil sírios morreram, a maioria civis, segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

(Com Agência France-Presse)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.