Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

EUA acusam Rússia de usar armas químicas e anunciam novas sanções

Armamento teria sido usado na Ucrânia, apesar de proibição por convenções internacionais

Por Da Redação
Atualizado em 8 Maio 2024, 14h04 - Publicado em 2 Maio 2024, 16h27

O Departamento de Estado dos Estados Unidos divulgou nesta quarta-feira, 1º, um comunicado acusando a Rússia de violar as regras da Convenção sobre Armas Químicas (CWC) em solo ucraniano, anunciando novas sanções contra empresas e órgãos governamentais russos. 

O comunicado alega que “a Rússia usou a arma química cloropicrina” e “agentes de controle de choque”, ou gás lacrimogêneo, “como um método de guerra” contra a Ucrânia, apesar das substâncias serem proibidas pela CWC.

“O uso de tais produtos químicos não é um incidente isolado e provavelmente é impulsionado pelo desejo das forças russas de desalojar as forças ucranianas de posições fortificadas e alcançar ganhos táticos no campo de batalha”, disse o departamento estadunidense.

A acusação se baseia em relatos de soldados ucranianos que afirmam terem sido alvos de gases e outros produtos químicos em algumas áreas da linha de frente contra a Rússia. Segundo as Forças Armadas da Ucrânia, já foram registrados mais de mil casos de uso de “munições de gás lacrimogêneo equipadas com produtos químicos tóxicos que são proibidos para a guerra”, sendo 250 apenas no mês de fevereiro.

Continua após a publicidade

A Rússia afirma que não possui e não faz uso de armas químicas e o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, se pronunciou sobre o assunto negando as acusações feitas pelos EUA.

“Essas acusações são absolutamente infundadas, não são apoiadas por nada. A Rússia estava e continua comprometida com suas obrigações no direito internacional”, disse. 

O uso de armas químicas é proibido pelas leis internacionais desde o final da Primeira Guerra Mundial e as regras foram reforçadas em 1993 com a proibição da produção, armazenamento e transferência dos produtos químicos.

Continua após a publicidade

Novas sanções

Em resposta ao uso de armas químicas contra as forças ucranianas, o Departamento de Estado anunciou quase 300 novas sanções contra empresas e figuras que demonstraram apoio à Rússia na guerra. 

O comunicado afirmou que os EUA estão “reimpondo restrições ao financiamento militar estrangeiro, linhas de crédito do governo dos EUA e licenças de exportação para artigos de defesa e itens sensíveis à segurança nacional que vão para a Rússia”, além de sanções contra três entidades governamentais russas relacionadas ao uso das substâncias químicas na guerra e quatro empresas que apoiam esses órgãos governamentais.

O departamento também disse que irá impôr novas sanções à três pessoas ligadas à morte do Alexei Navalny, principal opositor ao presidente Putin: o diretor da prisão onde Navalny estava preso, o chefe que supervisionava a cela de Navalny e o pátio de caminhada onde ele supostamente desmaiou e morreu, além do médico chefe da prisão.

Continua após a publicidade

Em março de 2022, o presidente Joe Biden já havia ameaçado responder caso a Rússia utilizasse armas químicas contra a Ucrânia e, em abril do ano passado, os ministros das Relações Exteriores dos membros do G7 afirmaram que o país sofreria “consequências graves” se violasse as leis contra o uso desses produtos químicos.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.