Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Estátua de Teddy Roosevelt será removida de museu por simbologia racista

Donald Trump repudiou retirada da obra do Museu de História Natural de Nova York; protestos antirracistas motivaram ataques contra estátuas históricas

Por Da Redação Atualizado em 22 jun 2020, 14h11 - Publicado em 22 jun 2020, 13h51

O Museu de História Natural de Nova York anunciou que vai retirar a estátua do ex-presidente americano Theodore Roosevelt da entrada principal da instituição, em um momento de intensa campanha nacional contra os monumentos históricos considerados racistas, apesar da oposição de Donald Trump. O museu informou que o prefeito da cidade, Bill de Blasio, aceitou o pedido da instituição em meio às manifestações nacionais contra o racismo e a brutalidade policial após a morte de George Floyd, um homem negro, por um policial branco em 25 de maio em Minneapolis.

“Enquanto nos esforçamos para avançar na busca apaixonada de nossa instituição, nossa cidade e nosso país por justiça racial, acreditamos que a remoção da estátua será um símbolo de progresso e de nosso compromisso para construir e sustentar uma comunidade do museu inclusiva e equitativa e uma sociedade mais aberta”, afirmou Ellen Futter, presidente do museu, em um comunicado.

ASSINE VEJA

Acharam o Queiroz. E perto demais Leia nesta edição: como a prisão do ex-policial pode afetar o destino do governo Bolsonaro e, na cobertura sobre Covid-19, a estabilização do número de mortes no Brasil
Clique e Assine

Trump afirmou ser contra a decisão. “Ridículo, não façam isso”, tuitou o presidente nesta segunda-feira, 22. O republicano critica os protestos antirracismo, dizendo que os manifestantes vêm se comportando mal.

“A turba descontrolada de esquerda está tentando vandalizar nossa história, profanar nossos monumentos – nossos lindos monumentos –, derrubar nossas estátuas e punir, cancelar e perseguir qualquer um que não se sujeite às suas exigências de controle absoluto e total. Não estamos nos sujeitando”, disse ele a apoiadores em um comício na semana passada.

Teddy Roosevelt, que foi presidente dos Estados Unidos de 1901 a 1909, é considerado um dos primeiros conservacionistas e naturalistas americanos. Conhecido por sua postura exuberante e ousada, ele realizou reformas antitruste e conservacionistas e o chamado acordo “Square Deal” e, dizem críticos, adotou uma abordagem intervencionista na política externa, o que incluiu projetar o poder naval de sua nação em todo o mundo.

Continua após a publicidade

Mas sua estátua de bronze, que desde a inauguração do museu em 1940 o apresenta poderoso, a cavalo, ao lado de um negro e um indígena a pé a cada lado, simboliza para muitos o colonialismo e a discriminação racial. O rosto de Roosevelt também é um dos de quatro presidentes – ele, George Washington, Thomas Jefferson e Abraham Lincoln – que estão gravados em esculturas de granito de 18 metros de altura no Memorial Nacional do Monte Rushmore, em Dakota do Sul.

O prefeito de Nova York aceitou o pedido para retirar a imponente estátua de Theodore Roosevelt da entrada do museu, localizada no Central Park West, diante do Central Park. “O Museu Americano de História Natural pediu para remover a estátua de Theodore Roosevelt porque apresenta explicitamente negros e indígenas como subjugados e racialmente inferiores. A cidade apoia a solicitação do museu”, afirmou De Blasio. “É a decisão correta e o momento correto para remover esta estátua problemática”, completou o prefeito.

O bisneto de Roosevelt, Theodore Roosevelt IV, administrador do museu, concordou com a decisão. “O mundo não precisa de estátuas, relíquias de outro época, que não refletem os valores da pessoa que desejam homenagear nem os valores de igualdade e justiça”, afirmou no mesmo comunicado.

Manifestantes que protestam contra o racismo nos Estados Unidos atacaram estátuas de várias figuras históricas, incluindo o navegador italiano Cristóvão Colombo, apresentado por séculos como o “descobridor da América”, mas agora considerado por muitos como um dos responsáveis pelo genocídio indígena no continente.

(Com AFP e Reuters)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)