Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Encontrados mais 92 imigrantes mortos de sede no Saara

Autoridades suspeitam que o veículo em viajavam quebrou, levando o grupo a procurar ajuda a pé. Entre os mortos, mais da metade (52) eram menores

Novas buscas por imigrantes no deserto do Saara levaram as equipes de resgate a encontrar outras 92 pessoas que morreram de sede durante uma travessia do Níger para a Argélia. Segundo a rede BBC, os corpos foram achados em um estado avançado de decomposição. A suspeita das autoridades é de que o veículo em que os imigrantes viajavam tenha quebrado no meio do deserto, o que levou o grupo, que incluía mulheres e crianças, a andar sem direção em busca de ajuda.

Leia também:

Líderes da UE não chegam a acordo sobre imigração

Os imigrantes foram encontrados a aproximadamente dez quilômetros da fronteira que separa o Níger da Argélia. Um dos membros da equipe de resgate, Almoustapha Alhacen, disse que o grupo era formado por sete homens, 33 mulheres e 52 menores. Todos eles receberam funerais segundo a tradição muçulmana e foram sepultados. “Achamos corpos por uma vasta área. Não tínhamos ideia do que esperar, porque nós não sabíamos quantas pessoas estavam no veículo. O mais chocante foi o fato de haver tantas crianças. Havia uma mulher segurando um bebê”, relatou Alhacen.

Como boa parte dos imigrantes era menor de idade, as equipes de resgate acreditam que eles estavam tentando cruzar a fronteira para arrumar trabalhos de baixa remuneração na Argélia. “Esta é a única explicação que eu e meus colegas conseguimos achar para um número tão grande de menores viajando junto”, acrescentou Alhacen. De acordo com o Escritório de Coordenação de Assuntos Humanitários da ONU, cerca de 80 000 imigrantes cruzam a porção do deserto do Saara localizada no Níger para buscar emprego em outras regiões.

Outro caso – Na segunda-feira, as autoridades do Níger comunicaram que outro grupo formado por dezenas de imigrantes havia desaparecido no Saara. Segundo a BBC, as equipes de resgate conseguiram localizar apenas cinco corpos de pessoas que morreram desidratadas. Pelo menos 35 indivíduos ainda são considerados desaparecidos pelo governo.