Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Embaixada da Venezuela em Brasília é invadida

Simpatizantes do autoproclamado presidente Juan Guaidó entraram em conflito com funcionários da representação diplomática durante a madrugada

Por Julia Braun - Atualizado em 13 nov 2019, 11h19 - Publicado em 13 nov 2019, 08h41

A embaixada da Venezuela em Brasília foi invadida na madrugada desta quarta-feira, 13, por um grupo de representantes de Juan Guaidó, autoproclamado presidente interino do país sul-americano. Segundo a Polícia Militar, os venezuelanos chegaram por volta das 4h da manhã e tentaram expulsar alguns funcionários do corpo diplomático que resistiram à invasão.

De acordo com a equipe de Guaidó, alguns funcionários da embaixada permitiram o acesso ao local de Tomas Silva, ministro-conselheiro acreditado pelo Brasil. A embaixadora Maria Teresa Belandria não está no país.

Segundo comunicado dela, um grupo de funcionários decidiu abrir as portas e entregar as chaves da embaixada voluntariamente, bem como reconhecer Guaidó como legítimo presidente. Houve um princípio de confusão e a polícia militar foi acionado. O adido militar chavista, leal ao regime, ficou do lado de fora.

A PM foi acionada, mas não pôde entrar no local ou retirar as pessoas, por se tratar de uma representação diplomática. A situação ainda não foi resolvida e os simpatizantes de Guaidó permanecem na embaixada.

Publicidade

A invasão foi denunciada nesta manhã por parlamentares brasileiros do PT e PCdoB. Em um vídeo compartilhado pelo senador Humberto Costa, o deputado federal Paulo Pimenta (PT/RS) afirma na frente da embaixada que uma “milícia foi contratada” para realizar a invasão, que classifica como “uma violação do território venezuelano”.

“Um atentado à soberania e à democracia!”, escreveu a deputada federal Jandira Feghali (PCdoB/RJ) no Twitter.

Publicidade

“No dia do encontro da Cúpula dos BRICs, com presença da China e da Rússia, grupelhos fascistas invadem a embaixada da Venezuela, em Brasília.O ato criminoso pode desencadear uma crise diplomática sem precedentes”, afirmou a deputada Erika Kokay (PT/DF).

 

Juan Guaidó se autoproclamou presidente da Venezuela em janeiro deste ano, após declarar que Nicolás Maduro “usurpou” o poder ao fraudar a votação que levou a sua reeleição em 2018. Brasil, Estados Unidos e outras dezenas de países reconheceram o líder da oposição como presidente legítimo.

Esta é a primeira vez que os representantes de Gauidó entraram na sede, ainda controlada pelo chavistas, desde que presidente Jair Bolsonaro aceitou as credenciais da equipe do opositor, no início do ano.

Publicidade

A diplomacia de Guaidó vinha tentando tomar o prédio e desalojar os funcionários enviados por Maduro – que não tem mais relacionamento diplomático com o Brasil.

Agora, eles pedem que os servidores de sete consulados venezuelanos no país façam o mesmo e garantem ajuda para deixar o Brasil, caso desejem.

Publicidade