Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

DSK está a um passo da liberdade, diz advogado de defesa

Equipe do ex-chefe do FMI diz que reunião com os promotores foi 'construtiva'

Por Da Redação
7 jul 2011, 10h01

“É muito importante destacar que o encontro não foi para discutir um acordo de confissão, porque Dominique Strauss-Kahn não vai se declarar culpado de nenhum crime”, diz Ben Brafman

Dominique Strauss-Kahn está muito perto de conseguir a liberdade. O otimismo é do advogado de defesa Ben Brafman, que saiu confiante do encontro que teve na quarta-feira com os promotores do processo movido pela camareira de um hotel de luxo em Nova York que acusa o ex-chefe do FMI de estupro.

“A reunião foi muito construtiva. É muito importante destacar que o encontro não foi para discutir um acordo de confissão, porque Dominique Strauss-Kahn não vai se declarar culpado de nenhum crime”, afirmou Brafman ao jornal americano The New York Post, após uma conversa a porta fechadas no escritório do promotor-chefe, Cyrus Vance, que durou mais de duas horas.

Não foram revelados detalhes do encontro, mas o advogado de defesa insistiu que todas as acusações contra seu cliente devem ser arquivadas, uma vez que a camareira perdeu toda a credibilidade ao entrar em contradição em seus depoimentos e depois que foram descobertas ligações dela com atividades criminosas, inclusive tráfico de drogas. A inversão no papel da vítima resultou em uma reviravolta no caso na semana passada, quando DSK ganhou liberdade condicional e teve até o valor pago pela fiança devolvido.

Continua após a publicidade

“O processo de investigação continua e nenhuma decisão foi tomada”, limitou-se a dizer o promotor, na saída da reunião, enfatizando que nada mais seria dito. Ainda assim, pela expressão sorridente de Strauss-Kahn após ser informado por seus advogados sobre o que foi conversado entre acusação e defesa, o resultado deve mesmo ser satisfatório para ele. Apesar da resistência de Vance em adiantar algo, crescem os rumores de que o caso será encerrado na próxima audiência judicial, marcada para o dia 18. Se for realmente inocentado, DSK terá o passaporte devolvido e poderá voltar para casa, na França.

Afastamento – O advogado da camareira, Kenneth Thompson, criticou o fato de ter sido excluído da reunião sigilosa entre acusação e defesa e pediu que o promotor-chefe seja afastado do caso. Ele acusa um assistente de Cyrus Vance de vazar informações à imprensa, prejudicando sua cliente.

“Promotor distrital Vance, pedimos sinceramente que o seu departamento voluntariamente se exima do caso Strauss-Kahn, e que o senhor nomeie um promotor especial”, diz Thompson, em uma carta enviada na quarta-feira. Logo depois, Vance afirmou que não vai deixar o processo.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.