Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Cristina Kirchner é intimada a depor em caso de corrupção

A ex-presidente da Argentina é acusada de fazer manobras nas concessões de obras públicas para favorecer o empresário de construção Lázaro Báez

Por Da redação Atualizado em 12 set 2016, 22h04 - Publicado em 12 set 2016, 21h58

A ex-presidente argentina Cristina Kirchner foi convocada a depor em 20 de outubro no processo que a investiga por fraude em obras públicas, informou uma fonte judicial nesta segunda-feira. Além disso, ela também teve os bens bloqueados pela Justiça.

Ao decidir sobre a intimação, o juiz Julián Ercolini, responsável pelo caso, considerou que “existem elementos suficientes para prosseguir com o processo e convocar (Kirchner)” a prestar depoimento. Cristina é suspeita de direcionar concessões de obras públicas durante seu governo em favor do grupo Austral, propriedade do empresário Lázaro Báez, que também foi convocado a depor.

Baéz é um empresário da construção que fez fortuna durante os governos kirchneristas (2003-2015) com obras públicas na Patagônia. No momento, está preso por lavagem de dinheiro. Segundo a promotoria, os 17 nomes citados no processo, entre eles Cristina, “integraram uma organização criminosa criada para se beneficiar do dinheiro público”.

Leia também:
Cristina Kirchner se compara a Dilma – e até repete discurso
Justiça argentina ordena bloqueio de bens de Cristina Kirchner

Além da ex-presidente, também estariam envolvidos o ex-ministro do Planejamento Julio De Vido e seu braço direito na pasta, José López, encarregado de administrar as verbas de obras públicas durante os 12 anos dos governos kirchneristas. López está preso desde junho passado, quando foram descobertos 9 milhões de dólares (29 milhões de reais) em dinheiro que escondia em um convento em Buenos Aires.

No mês passado, a ex-presidente também precisou comparecer à Justiça entra outra investigação envolvendo seu nome, desta vez por acusações de má administração de recursos públicos. O processo acusa Kirchner de dano financeiro ao país em operações cambiais do Banco Central durante sua gestão.

(Com AFP e EFE)

Continua após a publicidade
Publicidade