Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Coronavírus: como a Etiópia virou exemplo de ajuda internacional

Brasil, Peru, Colômbia, Peru e Equador estão entre os países que já foram ajudados pelos africanos

Por Ernesto Neves
Atualizado em 5 jun 2020, 12h43 - Publicado em 5 jun 2020, 10h01
  • Seguir materia Seguindo materia
  • Um dos efeitos mais perversos da pandemia do novo coronavírus foi a disputa internacional por insumos médicos. A escassez de produtos hospitalares provocou uma corrida injusta, em que países ricos pagam mais e nações subdesenvolvidas se veem sem recursos para combater o avanço da infecção.

    Publicidade

    Nesse cenário de pouca, ou nenhuma, empatia, um país vem se destacando. Trata-se da Etiópia, nação de 109 milhões de habitantes localizada no Chifre da África. Desde março, quando a epidemia se intensificou, a capital etíope, Adis Abeba, se tornou ponto de apoio fundamental para cargas que são importadas da China por países da África e da América Latina.

    Publicidade

    Entre os beneficiados está o Brasil. Em abril, o governador do Maranhão, Flávio Dino, utilizou o aeroporto de Adis Abeba para reabastecer Boeings 777 que transportavam respiradores adquiridos em Xangai, na China. A rota passou ao largo de países europeus e dos Estados Unidos, que poderiam reter os respiradores para utilizá-los nos hospitais locais.

    Em abril, 600 respiradores importados pelo governo da Bahia foram retidos no aeroporto de Miami, e não foi dada qualquer explicação sobre o motivo. A Alemanha chegou a acusar os Estados Unidos de fazer “pirataria moderna” devido ao sequestro de insumos.

    Publicidade
    Continua após a publicidade

    O correio humanitário tem um ator principal, a companhia aérea Ethiopian Airlines. Desde fevereiro, a empresa converteu 30 de seus 80 aviões de passageiros para o transporte de cargas. “Estamos aqui para os bons e os maus momentos, e vamos apoiar quem precisar”, diz Girum Abebe, diretor da Ethiopian Airlines. “Vamos manter esse correio aéreo entre Ásia, África e América Latina enquanto for preciso”, garante.

    Só no continente africano, a companhia aérea já foi usada para distribuir 260 toneladas de equipamentos, beneficiando 45 países. A maior parte da carga foi doada pelo bilionário chinês Jack Ma, dono do site Alibaba. Na América Latina, Chile, Colômbia, Peru, Equador e Argentina também utilizaram a rota etíope.

    Publicidade

    A Etiópia comoveu o mundo entre 1983 e 1985, quando a guerra civil e uma seca prolongada provocaram fome generalizada, matando ao menos 1 milhão de pessoas. Mas, ainda que continue a padecer com a pobreza, o país vem empreendendo uma mudança notável desde os anos 1990.

    Continua após a publicidade

    Na última década, o país registrou crescimento anual médio de 8%, segundo o FMI. Em 2000, 60% da população estava em situação de miséria, porcentual que caiu pela metade. No ano passado, o primeiro-ministro etíope, Abiy Ahmed Ali, ganhou o Prêmio Nobel da Paz por seus esforços para encerrar o conflito com a vizinha Eritreia. 

    Publicidade

    Sem dúvida, um exemplo de solidariedade que deveria ser copiado por outros líderes internacionais.

    Publicidade
    Publicidade

    Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

    Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

    O Brasil está mudando. O tempo todo.

    Acompanhe por VEJA.

    MELHOR
    OFERTA

    Digital Completo
    Digital Completo

    Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

    a partir de R$ 2,00/semana*

    ou

    Impressa + Digital
    Impressa + Digital

    Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

    a partir de R$ 39,90/mês

    *Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
    *Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

    PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
    Fechar

    Não vá embora sem ler essa matéria!
    Assista um anúncio e leia grátis
    CLIQUE AQUI.