Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Coreia do Norte aceita visita de deputados do Sul ao complexo de Kaesong

O parque industrial conjunto foi fechado pelo Norte em abril e reaberto em setembro. Sul-coreanos querem observar reinício das operações

Por Da Redação 24 out 2013, 06h23

A Coreia do Norte aceitou nesta quinta-feira a visita de 24 deputados sul-coreanos ao complexo industrial de Kaesong na próxima semana, em um aparente gesto de abertura, que chega num momento marcado pela estagnação nas relações entre as duas Coreias.

Leia também

Pyongyang aciona 130 hovercrafts para possíveis manobras militares

Um grupo de 57 funcionários entre deputados, assessores e diretores havia solicitado, na semana passada, autorização a Pyongyang para visitar o Complexo Industrial de Kaesong. Se realmente ocorrer, esta será a primeira visita de deputados do Sul ao complexo conjunto desde que este voltou a abrir suas portas, no dia 16 de setembro, após cinco meses fechado.

Kaesong é uma zona industrial na região desmilitarizada da Coreia do Norte e vinha sendo desenvolvida em parceria com os vizinhos do Sul em uma tentativa de criar empregos e promover a integração entre as Coreias. O complexo, símbolo do entendimento entre as duas Coreias no início da década passada, foi fechado unilateralmente em abril pelo Norte, durante uma dura campanha de hostilidades de Pyongyang a Seul e Washington, em protesto por manobras militares conjuntas dos dois países e pelas sanções da ONU.

Os deputados de Seul poderão observar em primeira mão o retorno das operações das empresas sul-coreanas em Kaesong, após cinco meses de fechamento. Além disso, está previsto um diálogo direto com os empresários afetados pelo fechamento para ouvir seus pedidos e propostas em relação ao complexo, mas “os detalhes da visita ainda serão negociados”, informou a porta-voz do Ministério de Unificação sul-coreano.

Os empresários vêm solicitando nos últimos meses que o governo sul-coreano aumente suas medidas de apoio para compensar os prejuízos causados pelo fechamento do polígono industrial. Após meses de intensas negociações, o parque industrial reabriu suas portas no dia 16 de setembro, onde 123 empresas sul-coreanas fabricam produtos utilizando a mão de obra barata de 54 000 trabalhadores do Norte.

(Com agência EFE)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)