Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

China prende militares de alto escalão e ex-executivo estatal por corrupção

O presidente chinês Xi Jinping alertou que os problemas com a corrupção são tão graves que poderiam ameaçar as estruturas do Partido Comunista, que comanda o país

Prosseguindo sua cruzada contra a corrupção, a China informou nesta terça-feira que prendeu dois militares de alta patente e um ex-alto funcionário de uma companhia estatal. Agora eles são as mais recentes autoridades atingidas pela campanha do governo moralizar a administração pública. Qi Dacai, ex-vice-presidente da estatal Companhia da Rede Elétrica do Sul da China foi preso por suspeita de suborno. Ele comandava operações e contratos milionários e é acusado de ter aceitado pagamentos para facilitar a subcontratação de outras companhias para beneficiar seus amigos empresários.

A procuradoria comunicou que a investigação ainda está em andamento e, por isso, não pode fornecer mais detalhes. A Companhia da Rede Elétrica do Sul da China não respondeu a um pedido de comentários feito pela agência Reuters. Este ano o Partido Comunista tem investigado a corrupção em várias grandes estatais, incluindo a Companhia da Rede Elétrica do Sul da China, a Corporação de Investimentos em Energia na China e a Corporação Estatal de Tecnologia em Energia Nuclear.

Leia também

Ex-chefe de segurança da China é condenado à prisão perpétua por corrupção

Nova ação da China contra a corrupção leva políticos para passar um dia no presídio

Atriz chinesa está sendo processada por ‘encarar intensamente’ telespectador pela TV

Militares — O Ministério da Defesa da China informou que mais dois ex-comandantes de alto escalão estão sendo investigados por suspeita de corrupção. Em breve comunicado, o ministério relatou que Kou Tie, ex-comandante da região militar de Heilongjiang, no norte da China, foi colocado sob investigação em novembro passado por “violações graves de disciplina”. Ele foi entregue à procuradoria militar no mês passado. O outro militar autoridade foi identificado como Liu Zhanqi, ex-comandante da divisão de comunicação da força paramilitar Polícia Armada do Povo, também suspeito de “violações graves de disciplina”, termo normalmente utilizado para descrever a corrupção. Ele também foi entregue no mês passado à procuradoria militar.

Em sua luta contra a corrupção, o presidente chinês, Xi Jinping, prometeu ir atrás dos poderosos “tigres”, bem como das humildes “moscas”, alertando que o problema é tão grave que poderia ameaçar as estruturas do partido único que comanda. Vários altos funcionários foram destituídos e presos, incluindo o ex-chefe de segurança nacional Zhou Yongkang, já aposentado, e que foi um dos mais poderosos homens da China. Ele foi condenado à prisão perpétua na semana passada após um julgamento secreto.

(Da redação)