Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

China nega acusações da NASA de que dominará a Lua

Chefe da NASA alegou que o programa espacial de Pequim é militar e que serve para 'destruir os satélites de outras pessoas'

Por Da Redação
Atualizado em 5 jul 2022, 16h59 - Publicado em 5 jul 2022, 16h58

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, Zhao Lijian, refutou nesta terça-feira, 5, o alerta de Bill Nelson, administrador da NASA, de que a China estaria planejando dominar a Lua.

Lijian afirmou que os Estados Unidos tem criado campanhas de difamação contra as ações espaciais da China. Segundo ele, a Administração Espacial Nacional da China sempre promoveu a construção de um futuro compartilhado para a humanidade em suas atividades no espaço. Além disso, refutou que exista uma corrida armamentista no espaço.

“Esta não é a primeira vez que o chefe da NASA ignorou os fatos e falou de forma irresponsável sobre a China”, disse Lijian. 

Nos últimos dez anos, a China investiu na atividade espacial com foco na exploração lunar. Em 2013, fez o primeiro pouso sem tripulação no corpo celeste e, atualmente, planeja o mesmo tipo de missões no polo sul da Lua. Além disso, pretende lançar foguetes poderosos o suficiente para enviar astronautas à Lua no final desta década e também está de olho em uma missão em Marte por volta de 2030.

Continua após a publicidade

+ Astronautas russos levam bandeira de região separatista para o espaço

A China está construindo uma estação espacial de três módulos chamada Tiangong, que será rival da Estação Espacial Internacional (EEI). Os chineses são barrados de trabalhar na EEI, devido à lei americana que proíbe a NASA de compartilhar dados com Pequim. Por isso, Nelson disse que o programa espacial da China era militar e alegou que havia roubado ideias e tecnologia de outros.

“Devemos estar muito preocupados com o fato de a China estar pousando na Lua e dizendo: ‘É nosso agora e você fica de fora’”, alertou Bill Nelson no sábado 2, ao jornal alemão Bild.

Continua após a publicidade

Quando o Bild perguntou quais propósitos militares a China pode buscar no espaço, ele respondeu: “Bem, o que você acha que está acontecendo na estação espacial chinesa? Eles estão aprendendo a destruir os satélites de outras pessoas”.

+ TikTok admite acesso chinês a dados americanos e se defende de acusações

A NASA também começou o projeto de exploração Artemis que acontecerá nesta década. A agência planeja enviar uma missão com  astronautas para orbitar a Lua em 2024 e fazer um pouso tripulado perto do polo sul lunar até 2025. 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.