Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

China nega acusações da NASA de que dominará a Lua

Chefe da NASA alegou que o programa espacial de Pequim é militar e que serve para 'destruir os satélites de outras pessoas'

Por Da Redação Atualizado em 5 jul 2022, 16h59 - Publicado em 5 jul 2022, 16h58

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, Zhao Lijian, refutou nesta terça-feira, 5, o alerta de Bill Nelson, administrador da NASA, de que a China estaria planejando dominar a Lua.

Lijian afirmou que os Estados Unidos tem criado campanhas de difamação contra as ações espaciais da China. Segundo ele, a Administração Espacial Nacional da China sempre promoveu a construção de um futuro compartilhado para a humanidade em suas atividades no espaço. Além disso, refutou que exista uma corrida armamentista no espaço.

“Esta não é a primeira vez que o chefe da NASA ignorou os fatos e falou de forma irresponsável sobre a China”, disse Lijian. 

Nos últimos dez anos, a China investiu na atividade espacial com foco na exploração lunar. Em 2013, fez o primeiro pouso sem tripulação no corpo celeste e, atualmente, planeja o mesmo tipo de missões no polo sul da Lua. Além disso, pretende lançar foguetes poderosos o suficiente para enviar astronautas à Lua no final desta década e também está de olho em uma missão em Marte por volta de 2030.

+ Astronautas russos levam bandeira de região separatista para o espaço

Continua após a publicidade

A China está construindo uma estação espacial de três módulos chamada Tiangong, que será rival da Estação Espacial Internacional (EEI). Os chineses são barrados de trabalhar na EEI, devido à lei americana que proíbe a NASA de compartilhar dados com Pequim. Por isso, Nelson disse que o programa espacial da China era militar e alegou que havia roubado ideias e tecnologia de outros.

“Devemos estar muito preocupados com o fato de a China estar pousando na Lua e dizendo: ‘É nosso agora e você fica de fora’”, alertou Bill Nelson no sábado 2, ao jornal alemão Bild.

Quando o Bild perguntou quais propósitos militares a China pode buscar no espaço, ele respondeu: “Bem, o que você acha que está acontecendo na estação espacial chinesa? Eles estão aprendendo a destruir os satélites de outras pessoas”.

+ TikTok admite acesso chinês a dados americanos e se defende de acusações

A NASA também começou o projeto de exploração Artemis que acontecerá nesta década. A agência planeja enviar uma missão com  astronautas para orbitar a Lua em 2024 e fazer um pouso tripulado perto do polo sul lunar até 2025. 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)