Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

China acusa ONU de ingerência ‘inapropriada’ por crise em Hong Kong

Comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet cobra a Justiça de realizar investigações sobre a uso de força por parte da polícia chinesa

A China acusou, neste sábado, 30, a Alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, de ingerência “inapropriada” em seus assuntos internos, depois de que ela pediu a investigação de um possível uso excessivo da força em Hong Kong por parte da polícia.

Em um comunicado, a missão chinesa ante a ONU em Genebra afirmou que um artigo escrito por Bachelet e publicado no jornal South China Morning Post sobre esse tema é “errôneo” e “viola os objetivos e princípios da Carta das Nações Unidas”.

O artigo contém “comentários inapropriados sobre a situação na região administrativa especial de Hong Kong”, aponta o comunicado. Segundo o documento, a ONU “interfere nos assuntos internos da China”. A China expressou “observações apoiadas” ante o escritório das Nações Unidas sobre os Direitos Humanos de Genebra.

Em seu artigo, publicado neste sábado, Bachelet insta as autoridades de Hong Kong a realizarem uma “investigação verdadeiramente independente e imparcial dirigida por um juiz sobre as informações sobre um uso excessivo da força por parte da polícia”.

Há meses Hong Kong é palco de protestos contra uma crescente ingerência de Pequim nas liberdades da região semiautônoma, denunciam os manifestantes. Ocorreram violentos confrontos entre manifestantes e a polícia, e os participantes das marchas pedem que a polícia preste contas sobre sua atuação e que sejam realizadas eleições livres.

A China nega querer interferir nas liberdades de Hong Kong e afirma que as manifestações dessa região seriam urdidas do exterior para desestabilizar o governo de Pequim.