Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

China acusa Estados Unidos de ‘terrorismo tecnológico’

Washington pressiona que Holanda e Japão parem de vender máquinas de montagem de chips para o país

Por Vitória Barreto Atualizado em 6 jul 2022, 19h46 - Publicado em 6 jul 2022, 19h39

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, Zhao Lijian, acusou os Estados Unidos de fazer “terrorismo tecnológico”, nesta quarta-feira, 6, em uma coletiva de impresa em Pequim. O país norte-americano pressionou que a ASML Holding NV e Nikon Corp parassem de vender para a China a tecnologia essencial que produz a maioria dos chips no mundo.

“Este é mais um exemplo da prática americana de diplomacia coercitiva ao abusar do poder do Estado e exercer hegemonia tecnológica. É o terrorismo tecnológico clássico”, afirmou Lijian, no entanto, não disse se a China planeja alguma medida de retaliação em resposta à medida.

A China tem como objetivo se tornar o líder mundial na produção de chips, a restrição norte-americana ampliaria uma moratória existente sobre a venda dos sistemas mais avançados que vem da Holanda e do Japão

+Chips provocam corrida entre nações para não mais depender da China

“Isso apenas lembrará a todos os países os riscos da dependência tecnológica dos EUA e os levará a se tornarem independentes e autossuficientes em um ritmo mais rápido”, acrescentou o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês. 

Continua após a publicidade

As autoridades americanas pediram que a Holanda  impedisse a empresa ASML de vender alguns de seus sistemas mais antigos de litografia ultravioleta profunda, ou DUV. Segundo especialistas, essas máquinas não são consideradas tecnologias de última geração, mas são normalmente utilizadas para fabricar chips menos avançados necessários para carros, telefones e computadores.

Se os Países Baixos fizerem um acordo com Washington, a gama de equipamentos proibidos de ir para a China aumentará consideravelmente. Isto causaria um sério problema para os fabricantes de chips chineses da Semiconductor Manufacturing International Corp. e Hua Hong Semiconductor Ltd.

Uma concorrente para a ASML é a empresa japonesa Nikon, que oferece o mesmo produto. Os Estados Unidos também tentam convencer que o Japão pare de enviar a tecnologia para os fabricantes chineses.

+EUA x China: de chips a testes anais de coronavírus, a guerra continua

É a segunda vez esta semana que Zhao Lijian discute com o governo norte-americano. Na terça-feira, 5, ele criticou o alerta de Bill Nelson, administrador da NASA, de que a China estaria planejando dominar a Lua. Lijian afirmou que os Estados Unidos têm criado campanhas de difamação contra as ações espaciais da China. Segundo ele, a Administração Espacial Nacional da China sempre promoveu a construção de um futuro compartilhado para a humanidade em suas atividades no espaço. Além disso, refutou que exista uma corrida armamentista no espaço. 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)