Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Chávez: mais bobagens em Doha

Por Da Redação 31 mar 2009, 07h35

A chegada do ditador venezuelano Hugo Chávez a Doha, no Catar, para uma reunião entre países sul-americanos e árabes, nesta terça-feira, foi marcada por novas declarações inusitadas do líder populista. Chávez criticou abertamente a presidente de um próspero país de seu continente, enquanto defendia em público o líder de um país onde acontece uma das maiores tragédias da humanidade nesta década.

Chávez acusou a presidente do Chile, Michelle Bachelet, de colocar em perigo a unidade sul-americana por ter convidado para a reunião “progressista” de Viña del Mar os Estados Unidos e a Grã-Bretanha. “Há uns progressistas por aí que não entendo. Não faz nada bem à unidade da América do Sul quando a presidente do Chile convoca uma reunião com o vice-presidente dos Estados Unidos e o primeiro-ministro britânico”, disse ele em referência a Joe Biden e Gordon Brown.

Segundo o venezuelano, Biden e Brown são “dois representantes dos impérios” e o convite a eles “coloca em perigo a unidade sul-americana”. Chávez fazia referência à Reunião de Cúpula de Líderes do Progressismo que aconteceu no sábado na cidade litorânea chilena de Viña del Mar, que teve a participação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Lula também recebeu o britânico Gordon Brown em Brasília.

‘Genocídio’ – Depois de reclamar de Bachelet, Chávez defendeu o presidente do Sudão, Omar al-Bashir, alvo de um pedido de prisão da Corte Penal Internacional (CPI), e pediu que o tribunal prenda o ex-presidente americano George W.Bush por “genocídio”. “Por quê não ordenaram a captura de Bush? Por quê não ordenaram a captura do presidente de Israel?”, disse, ao comentar a ordem de detenção por crimes de guerra e contra a humanidade em Darfur.

“Vão buscá-lo, é um genocida”, completou Chávez a respeito de Bush, ainda o alvo preferido de seus discursos populistas. “A ordem de prisão contra Bashir é um despropósito jurídico e um desrespeito aos povos do terceiro mundo.” A guerra civil em Darfur provocou 300.000 mortes desde 2003, segundo a ONU. O governo sudanês comandado por Bashir diz que foram 10.000 os mortos, além de 2,7 milhões de deslocados.

(Com agência France-Presse)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)