Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Censura chinesa suspende quase 10.000 contas em redes sociais

Segundo órgão de controle do Partido Comunista, páginas espalhavam fake news, distribuíam pornografia e extorquiam outros usuários

Por Da Redação Atualizado em 13 nov 2018, 12h41 - Publicado em 13 nov 2018, 12h11

O departamento encarregado de monitorar e censurar as redes na China, a Administração do Ciberespaço (CAC), anunciou nesta terça-feira, 13, a suspensão de mais de 9.800 contas em redes sociais.

Segundo o órgão, as páginas publicavam informações consideradas ilegais pela Justiça local. A campanha de “limpeza e retificação de uma série de fenômenos incontrolados” começou no último dia 20 de outubro, explicou a CAC em comunicado emitido ontem à noite.

O órgão censor acusou populares plataformas sociais como WeChat – o equivalente chinês do WhatsApp, propriedade do gigante tecnológico Tencent – e Sina Weibo – o Twitter chinês – de “falta de responsabilidade, gestão negligente e tolerância diante da proliferação selvagem” destes tipos de contas.

Segundo o documento, alguns destes usuários “propagavam informação política danosa, alteravam maliciosamente a história do Partido e do país, caluniavam heróis e desacreditavam a imagem do país”.

“Outros criavam rumores, disseminavam informações falsas e perturbavam a ordem social normal”, acrescentou.

Continua após a publicidade

A CAC também indicou que algumas destas contas publicavam pornografia, “desafiavam a moralidade”, extorquiam outros usuários ou infringiam os direitos de propriedade intelectual, entre outras acusações.

Após reunir-se com os funcionários da censura cibernética, diretores das citadas redes sociais afirmaram que supervisionariam a opinião pública e que “retificariam e administrariam de maneira estrita” suas plataformas.

Por último, a CAC pediu no seu comunicado que “toda a sociedade participe da limpeza e do desenvolvimento ordenado da mídia”, e agradeceu a colaboração dos que denunciaram “a informação ilegal e danosa” para “manter a ordem da comunicação em rede” e garantir um “ciberespaço limpo, positivo, saudável e ordenado”.

Em maio de 2017, o governo chinês anunciou medidas para estreitar o controle sobre os meios de comunicação, como a imposição de editores-chefes e redações aprovadas pelas autoridades comunistas em todos os sites de informação do país.

Desde então, os meios de comunicação também devem “seguir a linha do Partido Comunista” e cumprir determinadas medidas de “emergência” que o regime impõe diante de alguns eventos, como por exemplo, permitir apenas a publicação de informação proveniente de veículos oficiais em relação a desastres naturais ou outros assuntos sensíveis.

A China é o país com mais internautas do mundo (cerca de 700 milhões), mas, ao mesmo tempo, um dos que exercem maior controle nos conteúdos. Populares sites como Google, Facebook, Twitter e YouTube estão bloqueados no país há anos.

(Com EFE)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)