Clique e assine a partir de 9,90/mês

Califórnia deve suspender aulas até final do ano; Las Vegas fecha cassinos

Pandemia do novo coronavírus tem mudado a rotina de milhares de norte-americanos

Por Da Redação - Atualizado em 30 jul 2020, 19h27 - Publicado em 18 mar 2020, 02h17

É pouco provável que os mais de seis milhões de estudantes do estado da Califórnia voltem às aulas ainda neste ano letivo, avaliou nesta terça-feira, 17, o governador Gavin Newsom, ao pedir às famílias que planejem a longo prazo devido à pandemia de coronavírus.

“Eu planejaria e assumiria que é pouco provável que muitas destas escolas…, se é que alguma, reabra antes das férias de verão”, disse Newsom.

Atualmente, 98,8% das escolas do estado mais populoso dos Estados Unidos estão fechadas, e espera-se que outras instituições de ensino rurais sigam o mesmo caminho.

O governo regional liberou fundos de emergência para financiar o “ensino a distância” para que os alunos possam estudar em casa, assim como o envio de merenda escolar para as famílias mais necessitadas, além de apoio aos estudantes com limitações físicas.

Continua após a publicidade

A Califórnia tem mais de 470 casos confirmados do novo coronavírus, incluindo 12 mortes.

Cassinos fechados em Las Vegas

Todos os cassinos de Las Vegas fecharão suas portas por um mês, por ordem do governador do estado de Nevada emitida nesta terça, visando deter a pandemia do novo coronavírus.

O governador Steve Sisolak determinou o fechamento dos comércios não essenciais, incluindo bares, cinemas, ginásios e restaurantes.

Continua após a publicidade

“É preciso adotar medidas adicionais imediatas para deter a propagação deste vírus mortal em nosso estado”, disse Sisolak em entrevista coletiva. “Devemos dar esse passo pela saúde e a segurança de todos os habitantes de Nevada. Por favor, levem isto a sério e fiquem em casa”.

A ordem envolve todo o estado, que tem cassinos em outras cidades, como Reno. Mercados, farmácias, bancos e centros médicos permanecerão abertos.

A indústria do jogo – que emprega 1,8 milhão de pessoas nos EUA e movimenta anualmente mais de 260 bilhões de dólares – pode ser muito afetada pela pandemia, que já matou 100 pessoas no país.

(com AFP)

Publicidade