Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Brexit sem acordo criará obstáculos para empresas e consumidores

Pouco mais de sete meses para a separação, Reino Unido ainda não firmou pacto de desfiliação com a UE

Empresas britânicas que negociam com a União Europeia (UE) enfrentarão uma grande burocracia, possíveis atrasos na fronteira e transtornos no fluxo de capital se o governo do Reino Unido não conseguir fechar um acordo de separação com a UE antes de deixar o bloco em março de 2019.

Consumidores também devem ter problemas com pagamento de cartão de crédito e uso de bancos britânicos no exterior.

Londres publicou nesta quinta-feira (23) seu plano para um cenário sem acordo para o Brexit, com uma série de notas instruindo pessoas e empresas a se protegerem das adversidades em potencial, do armazenamento de remédios a novos documentos para negociações comerciais.

Faltando pouco mais de sete meses para a separação, marcada para 29 de março, o Reino Unido ainda não firmou um pacto de desfiliação com a UE. O plano da primeira-ministra Theresa May para um acordo “pró-mercado” não impressionou os negociadores em Bruxelas e vem sendo muito criticado em no Reino Unido.

E as diretrizes do governo deixam claro que as empresas que negociam com a Europa lidarão com novos trâmites para cobrir declarações alfandegárias e de segurança no caso de não haver um pacto.

As companhias teriam que aplicar as mesmas regras alfandegárias e tributárias para bens circulando entre o Reino Unido e a UE que são aplicadas para países fora do bloco. O Imposto sobre Valor Agregado também pode ter que ser pago antecipadamente.

Se Londres deixar a UE em março de 2019 sem um acordo, “a livre circulação de bens entre o Reino Unido e a UE cessará”, afirma a diretriz.

O governo britânico também afirma no plano que, entre os novos controles alfandegários, está a exigência pelo cumprimento dos padrões sanitários da UE, por exemplo. Ao mesmo tempo, o Reino Unido vai permitir que empresas do bloco continuem a prestar serviços temporariamente aos britânicos, por um período temporário após o Brexit.

Além disso, consumidores que fazem compras de produtos de outros países da União Europeia devem enfrentar pagamentos de cartão de crédito mais lentos e caros. Cidadãos vivendo na UE também podem perder o acesso a suas contas bancárias britânicas, alerta o governo.

Apesar das complicações observadas até agora, autoridades britânicas e UE afirmam estar decididos a fechar um acordo a tempo. O ministro do Brexit, Dominic Raab, disse que quer fazer com que o Reino Unido “fique cada vez mais forte, mesmo no caso improvável de não obtermos um acordo negociado com a União Europeia”.

Mas a diretriz do governo deixa claro que as empresas que negociam com a Europa lidarão com novos trâmites para cobrir declarações alfandegárias e de segurança no caso de não haver um pacto.

(Com Estadão Conteúdo e Reuters)